Posts Tagged ‘TV’

h1

No Limite, cadê seu limite?

quarta-feira, 2 setembro, 2009

no-limite-ao-vivoComo já afirmei diversas vezes, sou fã de reality show. Em compensação, tem um que eu tenho pânico de ver até a propaganda. Nunca vi tamanha bobagem como aquele tal de No Limite. Se não bastasse o formato antigo e ultrapassado, o apresentador global, Zeca Camargo, fica mais perdido do que cego em tiroteio. Sinceramente, parece que o Zeca Camargo está em mais uma de suas viagens pelo nosso mundão sem porteira.

O mais engraçado é que a fórmula do programa não muda. Pior ainda se lembrarmos as “nojeiras” que o povo anda comendo. Até bicho vivo, gente boa! Rede Globo, que tal usar a criatividade ou até mesmo comprar um novo formato?! Enquanto isso, vai tomando capote da concorrência.

A Fazenda “deitou o cabelo” em cima de No Limite, e  no tal do Jogo Duro, que de tão duro não colou… É muita nojeira e pouca criatividade. Globo, seu No Limite não vale Nem R$1,99!

h1

Conta outra (coisas que não entendo)

quinta-feira, 20 agosto, 2009
carlinhos

Qual é o público do Dado?

Ahh, fala sério “Dona” Record. Gosto muito de Reality show e “A Fazenda” é só mais um no meu currículo. Só não assisto a canseira de “No Limite”.

Sim, gente boa, gosto de TV, assisto muitos filmes, seriados, futebol e tudo que tem de “melhor” por aí. Só não assisto novela. Detalhe: assisto dois canais ao mesmo tempo: futebol mais um programa – Futebol sem áudio, claro! Gravo A Fazenda, CQC, Pânico, Altas Horas e filmes e seriados da Sky.

Enfim, acompanho o reality show que vem destruindo a Globo em audiência. Um dos responsáveis por tamanha audiência foi o excelente Carlinhos, o “Mendigo” do Pânico, que eu já gostava bastante, diga-se de passagem, e que atualmente trabalhava na própria Record.

Mesmo com uma história de vida sofrida que dá até vontade de chorar, o cara é uma alegria só. Na noite da última quarta-feira acompanhei a sua eliminação. Eliminação?  Como assim?! O cara que foi o melhor do programa, que mostrou sinceridade o tempo todo foi eliminado pela porquinha Danni Carlos e pelo Dado Dolabella??? Gente, como???

Quem contabilizou os votos, “Dona” Record? Não, não, não… Na último domingo foi o Pedro, que também é muito bacana, é filho de cantor sertanejo de muito sucesso e tudo mais. E agora o Carlinhos??? “Dona” Record, conta outra.

A picaretagem comeu solta e sem dó… Não importa se é filho de sertanejo ou ex-mendigo de rua, o importante é manter o playboy de merda dentro da fazenda. Assim como o Dado, a Record não vale Nem R$1,99! Teve até campanha de atores famosos, globais (…) em prol da permanência do cara.

E agora, vai dizer que não foi armado? Conta outra… Essa eu não acredito mesmo.

h1

O versátil Serjão Loroza: A fera!

sexta-feira, 29 maio, 2009

A "Fera"Em um país formado apenas por nórdicos… Deixa eu recomeçar. Em um país repleto de misturas de raças, e mesmo assim extremamente racista (tsc, tsc, tsc), poucos são os negros que conseguem fazer sucesso e ser unanimidade neste país. E os que são, amigo leitor, temos que bater palma, muita palma, afinal de contas são mais que talentosos.Um desses brasileiros que é negro e mesmo assim é unanimidade é Sérgio Loroza. Conheci o cara quando ele fazia A Diarista, quando interpretada o Sr. Figueirinha. Depois disso virei fã. Serjão Loroza é espirituoso, bem humorado, talentoso e muito “boa praça”. Todos que estão ao seu redor comentam o quanto ele é competente.

Se não bastasse, já foi vocalista em diversos “projetos”. É instrumentista, compositor e atua no cenário musical e nas artes cênicas.  (Isso, o cara não só tem talento como ator, como também vai muito bem na música). É puxador de samba, rapper e outras coisas mais. Versátil, talvez esse seja o melhor adjetivo para a “fera”.

Sérjão Loroza foi vocalista da ótima banda Monobloco. Quem nunca ouviu, saiba que o Monobloco é uma banda que anima até velório. Nota 10! Agora está em sua carreira solo. Lozora é um ser iluminado. “Religiosamente” falando, o carisma  é um dom divino. “Sociologiacamente” dizendo, ser carismático é ser um líder. Todas as concepções caem bem e muito para o ótimo Serjão Loroza, o “Tim Maia” da música, mas com o talento de um bom ator. Já no mundo virtual posso dizer sem medo: vale mais que R$1,99!

h1

Tv é isso!

segunda-feira, 25 maio, 2009
Garota propaganda Sky: Linda!

Garota propaganda Sky: Linda!

Tecnologia é algo que me fascina. Não sou de comprar as primeiras peças de nada, mas confesso que com a Sky HDTV não teve jeito. Como a maioria já sabe, principalmente os que acompanham o meu blog, sou fã de cinema, esportes, programas e seriados de TV.

Apesar de ser “rueiro”, como dizia a minha mãe, estou aprendendo a ficar dentro de casa curtindo a família e vendo TV. Eu já tinha Sky, mas fiz um “up-grade” para Sky HDTV e garanto: se gosta de televisão você não irá se arrepender.

O melhor de tudo, no meu caso, é chegar em casa e ver o filme que eu quiser. Como?! Simples, o Sky HDTV tem um recurso que você monta uma pasta e grava o filme que você quiser e que estiver sendo exibido na TV. Isso é tudo de bom. Imagina: ontem cheguei muito tarde, mas gravei os gols da rodada para ver quando eu chegar. Top!

Você tem 500 horas de gravação dentro de casa. Pode selecionar, por exemplo, um seriado e gravar todos os episódios quando eles forem sendo exibidos.

Quer coisa melhor que isso??? Esse é quase o fim dos downloads pelo computador (ainda irei baixar alguns seriados por lá!rs) Precisa falar que vale muito mais de R$1,99?!

h1

Fantasia no ar

terça-feira, 7 outubro, 2008

POST PROGRAMADO DIA 20 DE SETEMBRO DE 2008.

O programa Fantasia do SBT sempre foi um grande sucesso (?). Pelo menos na concepção de Oscar Filho o programa é simplesmente um espetáculo para “seu” stand up comedy. Muito engraçado, heim?!

h1

Ator que interpreta Sayid afirma que Heroes é plágio barato de Lost

quarta-feira, 2 julho, 2008

O ator Naveen Andrews, o Sayid de Lost, deu uma declaração no mínimo polêmica. O ator afirmou que a série Heroes é um plágio barato de Lost. Segundo Andrews, “os autores se comentaram em seguir a fórmula de ‘Lost’, mas nossos personagens são muito mais complexos e inovadores em matéria de televisão,” disse o ator a uma publicação francesa.

Será que o ator tem razão ou falou pelos cotovelos? Para mim, a afirmação não procede. Assim como Heroes, Lost também tem diversos elementos de outras series incorporados em seu enredo e, mesmo assim, não é um plágio.

Histórias como “O mágico de Oz” e “Jornada nas Estrelas” são sempre lembradas em Lost. Não sou nem um pouco fã de Heroes, mas dizer que a série é uma cópia barata de Lost… Pegou pesado, Andrews!

h1

Uma nova saga: The O.C.

terça-feira, 1 julho, 2008

The O.C.Iniciei mais uma saga, ou melhor, comecei uma nova série de TV, desta vez com o estilo bem diferente das séries que mais gosto. A escolhida foi The O.C., sigla da cidade onde a trama acontece: Orange Country, na Califórnia. A série é produzida pela Fox e narra à história de um grupo de adolescentes que vivem diversas aventuras, muitas delas escondidas de seus pais.

Um dos protagonistas principais da trama é Ryan Atwood, um problemático adolescente que chega ao paraíso de O.C. juntamente com o advogado Sandy Cohen, que convida o jovem a morar em sua casa e evitar e se livrar da prisão. Em compensação, a esposa de Cohen, Kirsten, inicialmente não aprova a atitude do marido, pois ela tinha medo das atitudes de Ryan “contaminassem” o seu filho único, Seth, um garoto puro e ingênuo apaixonado pela garota Summer.

Com o passar do tempo, Seth e Ryan se transformam em algo maior que amigos. Eles se divertem juntos e Ryan conhece a linda Marissa Cooper, a vizinha da família Cohen, que namora o “playboy” Luke Ward. Estava aí garantida muitas confusões e aventuras para os “quase” irmãos que vivem a boa vida na Califórnia.

Por outro lado, enquanto os jovens se envolvem em muitas confusões, seus pais também não ficam fora e muitos histórias comprometedoras dos até então bem sucedidos moradores de O.C. vem à tona, inclusive sobre um antigo relacionamento entre o pai de Marissa Cooper, Jimmy Cooper, e a mãe de Seth, Kirsten Cohen.

A série, que foi um grande sucesso em vários pontos do mundo, teve início em 2003 e seu último episódio, já na quarta temporada, terminou em 2007. Conta-se que o fim da série foi devido às baixas audiências do seriado, que não emplacou no ano passado.

Agora é pagar para ver… Mesmo sendo um estilo bem diferente do meu predileto, vou “pagar” e vou ver. Futuramente colocarei mais informações e críticas a respeito de The O.C.