Posts Tagged ‘The O.C.’

h1

“Seja a mudança que você deseja ver no mundo”

sexta-feira, 22 maio, 2009
"Seja a mudança que você deseja ver no mundo"

"Seja a mudança que você deseja ver no mundo"

Se existe um seriado que vai deixar saudade esse é Prison Break. Acabei de assistir o 22° episódio da quarta temporada e, como sempre, fui muito surpreendido. É óbvio que no final da perseguição as coisas começaram a ficar mais óbvias e forçadas. Mesmo assim, na cena final eu fiquei completamente surpreso. De qualquer forma vale o registro: como um todo, Prison Break é uma série que vale muito mais que R$1,99.

Prison Break entrou na programação para suprir o recesso de 24 horas. Depois disso Prison Break alcançou altos índices de audiência e foi até onde deu. De fato já não estava dando para manter a história. Muita coisa já havia acontecido e, nesse caso, os últimos episódios já estavam meio estranhos, com muita “encheção de linguiça”, e algumas reviravoltas mais trucadas do que Triplo X. Sim, no final caiu um pouco o nível, mas nada que possa apagar uma das melhores séries da TV. Como um todo foi muito divertido ver tal seriado.

Já assisti e assisto alguns  seriados (Acompanho ou acompanhei: Roma, The O.C., The Unit, Família Soprano, House, Heroes, Lost, Tho and a half man, 4400, Dexter, Fringe, 24 horas), mas poucos foram tão marcantes como Prison Break.  Muito bom mesmo! Vale R$1,99!

Anúncios
h1

Do seriado para o cinema

quarta-feira, 22 abril, 2009

sethMesmo sendo domingão, dia que temos chance de dormir até mais tarde, “curtir” a preguiça,  quase sempre acordo cedo para fazer alguma coisa. Nada sério,me “permito “ sair do conforto e calor da minha cama, me dirigir para a sala de televisão, ligar a TV e buscar algo legal por lá. Buscar um programa na TV é uma mera formalidade, afinal de contas mais “cochilo” do que assisto os canais de série, esportes, programas ou filmes.

Como era sete e pouco da manhã, comecei a mexer no controle para encontrar um programa. Encontrei! Décimo primeiro episódio da segunda temporada de um seriado que adoro: The O.C. Já vi a série inteira, de “cabo a rabo”, mas um bom seriado nunca é pouco vê-lo novamente.

Programei o seriado na Warner e continuei a minha “saga” pelo controle e encontrei um filme, “Eu e as mulheres”, que parecia ser bem mais ou menos e, para minha surpresa, era estrelado por Adam Brody, o mesmo ator que interpreta o personagem que mais agrado do seriado The O.C., o Seth Cohen. Para ser sincero, não iria assistir, mas resolvi vê-lo por saber que o estilo do ator é sempre muito engraçado.

Gostei bastante do que vi e não pisquei os olhos. Nem um “cochilinho” de leve. Indico! O filme “Eu e as mulheres” vale R$1,99!

Até parecia que o papel de Brody seria mais um besteirol. Pelo contrário, como Carter, Brody provou o quanto é flexível e bom ator.

Bom filme, bom ator!

h1

The O.C. No Ar

quinta-feira, 4 setembro, 2008

É “nóis” no Ragga Drops do Estado de Minas. Esta semana a série “No Ar” foi à boa e velha The O.C. Ela já não é exibida, mas ainda conquista a cada dia mais e mais fãs graças aos links da internet.

A série é bem juvenil e atende bem aos fãs do perfil “malhação” (rs).Quem quiser ver o primeiro episódio, clique aqui!

O principal música da série também é muito bacana! Perfeita para o estilo do seriado. Quer conhecer? Escute e veja…

h1

Ex-Miss Colômbia muito próximo da ilha de Lost

quinta-feira, 28 agosto, 2008

Em se tratando de mulher, Lost é bem fraquinho. O máximo que já passou pela ilha é a sardenta Kate, a gatinha que já andou com dois “perdidos” pela ilha e outros fora de lá. Já Heroes é uma série dotada de bons “talentos”. Claire e Nick são dois pedaços de mau caminho. Isso sem contar com a série The O.C., que tem um verdadeiro paraíso de mulher bonita, seja para o mundo teen, ou para os mais “maduros”. Marissa e Summer dão o ar da graça para os jovens mais “animadinhos”, enquanto Julie e Kirsten são as musas dos mais “experientes”.

Para não ficar para trás, os produtores de Lost resolveram “bombar” seu time de beldades. A primeira que está muito próxima de “cair” na ilha é a ex-Miss Colômbia, Paola Turbay, que atualmente é atriz e já atuou em outro seriado. Turbay afirmou que já fez testes na equipe de Lost e está muito próxima de começar seu novo trabalho. Agora, convenhamos, que reforço, heim?! Aposto que a ilha nunca mais será a mesma…

h1

Uma nova saga: The O.C.

terça-feira, 1 julho, 2008

The O.C.Iniciei mais uma saga, ou melhor, comecei uma nova série de TV, desta vez com o estilo bem diferente das séries que mais gosto. A escolhida foi The O.C., sigla da cidade onde a trama acontece: Orange Country, na Califórnia. A série é produzida pela Fox e narra à história de um grupo de adolescentes que vivem diversas aventuras, muitas delas escondidas de seus pais.

Um dos protagonistas principais da trama é Ryan Atwood, um problemático adolescente que chega ao paraíso de O.C. juntamente com o advogado Sandy Cohen, que convida o jovem a morar em sua casa e evitar e se livrar da prisão. Em compensação, a esposa de Cohen, Kirsten, inicialmente não aprova a atitude do marido, pois ela tinha medo das atitudes de Ryan “contaminassem” o seu filho único, Seth, um garoto puro e ingênuo apaixonado pela garota Summer.

Com o passar do tempo, Seth e Ryan se transformam em algo maior que amigos. Eles se divertem juntos e Ryan conhece a linda Marissa Cooper, a vizinha da família Cohen, que namora o “playboy” Luke Ward. Estava aí garantida muitas confusões e aventuras para os “quase” irmãos que vivem a boa vida na Califórnia.

Por outro lado, enquanto os jovens se envolvem em muitas confusões, seus pais também não ficam fora e muitos histórias comprometedoras dos até então bem sucedidos moradores de O.C. vem à tona, inclusive sobre um antigo relacionamento entre o pai de Marissa Cooper, Jimmy Cooper, e a mãe de Seth, Kirsten Cohen.

A série, que foi um grande sucesso em vários pontos do mundo, teve início em 2003 e seu último episódio, já na quarta temporada, terminou em 2007. Conta-se que o fim da série foi devido às baixas audiências do seriado, que não emplacou no ano passado.

Agora é pagar para ver… Mesmo sendo um estilo bem diferente do meu predileto, vou “pagar” e vou ver. Futuramente colocarei mais informações e críticas a respeito de The O.C.