Posts Tagged ‘serial killer’

h1

Mais cinco em cena

sexta-feira, 7 agosto, 2009

Galera,

Primeiramente peço desculpas por não ter postado o cine em cena da semana passada. Na verdade estou mais que “apertado de costura”. De qualquer maneira fiz uma seleção com cinco filmaços para agradar gregos, troianos e até incas. Então vamos ao que interessa. O esquema da nota vocês já conhecem, certo?! (Se não conhece, leia). 

a-mulher-invisivel-cartazMulher invisível: Pedro (Selton Mello) acreditava no casamento, mas foi abandonado pela esposa. Após três meses de depressão e isolamento, ele ouve batidas na sua porta. É a mulher mais linda do mundo pedindo uma xícara de açúcar: Amanda (Luana Piovani), sua vizinha. Pedro se apaixona por aquela mulher perfeita, carinhosa, sensível, inteligente, uma amante ardente que gosta de futebol e não é ciumenta. Seu único defeito era não existir. 

Nota 5. Vi no cinema e achei muito bacana. Há um bom tempo estou vivendo a paixão por cinema nacional. Não que tenha sido uma superprodução, mas está cada vez mais se firmando no cenário. A atuação de Selton Mello foi espetacular. Como foi em “Lisbela e o prisioneiro”, e assim como está sendo em todos os seus papéis. Talvez “Mulher invisível” não tenha sido o melhor filme nacional do ano, mas está entre os três mais. Detalhe: o melhor, até então, foi o Divã. Obs.: “Cuecas” de plantão, a chata da Luana Piovani aparece em todas as cenas com trajes bem “interessantes”. Precisa comentar mais?

x-men-origens-wolverineX-Men Origens: Wolverine
Antes de se juntar aos X-Men, Wolverine inicia uma busca pela verdade sobre seu passado, que envolve seu complexo relacionamento com Victor Creed, o Dentes-de-Sabre, e o programa Arma X. 

Nota 4. Para o estilo agradou, mas esperava mais. Apesar de ser a origem do personagem, achei muito estranho o final do filme. É óbvio que era de se esperar, mas… Wolverine sempre foi o X-Man de maior destaque e por isso esperava um filme muito acima da média. E não foi. Na trama a atuação de Victor Creed é até mais interessante do que a própria origem de Wolverine. Aposto que os HQ´s, os fascinados por gibis, não gostaram do filme. 

serialSerial Killer
Durante as investigações do assassinato da ex-amante do Dr. Sam Charney (Rutger Hauer, de Blade Runner, O Caçador de Andróides), a experiente detetive Della Wilder (Pam Grier, de Jackie Brown) acaba descobrindo uma série de misteriosos assassinatos de mulheres que, de alguma forma, estão ligados a uma grande e poderosa companhia farmacêutica. Agora, depois de ter descoberto essa terrível e mortal conspiração, Della precisa resolver rapidamente o caso, antes que ela e o doutor acabem mortos.

Nota 4. Brutal, heim?! Que nada… Filme de investigação bem legal. Cheio de reviravoltas, mas só não ganhou nota máxima porque o final é muito previsível.

sombraNa sombra do crime
Quando um conhecido dublê de Hollywood, Jimmy Pierazzi (Lillo Brancato) – amigo de infância do assassino de aluguel  Eric O’Byrne (Matthew Modine) – morre em um trabalho supervisionado por Lance Cooper (James Caan), alguém pede a morte de Cooper e contrata Eric para fazê-lo. Para conseguir sucesso em sua missão, Eric resolve aproximar-se da filha de Cooper, o caminho  mais fácil para chegar ao alvo. Mas, na tentativa de realizar o serviço, acaba apaixonando-se pela filha de seu alvo e descobre que Cooper não teve nada a ver com a morte de seu amigo, foi apenas um acidente provocado por um erro de Jimmy.

Nota 4. Achei que terminar esse filme seria a coisa mais complicada do mundo. Pelo contrário. A trama é bem legal. Nota 4. Sem muito louvor, mas não é de arrepender.

12-e-demais-poster02Doze é demais
Tom Baker e Kate Baker conseguiram uma proeza certamente admirável: ter 12 filhos. A família, apesar de demasiada grande, é feliz e muito brincalhona. Apesar das bagunças eventuais, eles vivem em paz e harmonia, numa pequena cidade chamada Illinois. Tom Baker é um técnico de um time de futebol americano e, após conseguir uma promoção invejável, tem de se mudar para a cidade grande. É claro que toda a família vai junto. Quando Tom começa a não ter tempo para seus filhos, a confusão começa. 

Nota 3. Na seleção da semana não poderia faltar o besteirol, né?! Esse é bem água com açúcar. Não é dos piores, mas também não é aquele filme, que pode ser indicado.

Agora é preparar a pipoca, o refri e bom filme!

Anúncios
h1

Reality “choro”

segunda-feira, 8 junho, 2009

a-fazendaNão é novidade para ninguém que sou fã de reality show. Já fui “correspondente” de jornais e sites para falar do assunto. Como o estilo está em moda na tv brasileira, ontem fiquei até mais tarde para acompanhar a estréia do Jogo Duro, e gravei A Fazenda, afinal de contas no horário que o reality show passou na Record estava vendo o Pânico na TV (Ronaldo!). Diria o um serial killer: vamos por partes.

Astro global

Astro global

Sobre o Jogo Duro eu não posso dizer muita coisa. É muito ruim. Um show de “nojera”… Posso até estar enganado, mas acho que não vai emplacar. O bom Paulinho Vilhena, agora barburdo como o Marcelo ex-BBB 8, está muito estranho, com ar de intelectual, querendo dar uma de cruel. Jogo Duro pode até ter boa audiência, mas não deixa de ser péssimo.

Sobre A Fazenda falo que é fraco, mas corre o risco de emplacar. Lotar uma casa de “famosos do segundo escalão” (conhecidos, na verdade) e achar que vai dar audiência é perigoso. Pode até dar, afinal de contas o que não faltam são barracos, nádegas e músculos. E como o povo gosta bastante disso, vai dar audiência. Mas a edição do programa até então está fraca. Boninho terá que fazer uma consultoria urgente para a sequência do programa (ou será que ele está ocupado com o programa global?)

Acredita, amigo leitor, que mais ou menos aos 27 minutos do programa (gravado pela Sky HDTV) eu já sabia quem seria o eliminado? Então, nem precisou da Mãe Dinah muito menos ser Nostradamus. A coisa foi simples: na hora de colocar o crédito da mãe de um dos participantes, apareceu rapidamente: Fransciely eliminada com 50%. Como percebi algo diferente, voltei e vi.

Isso sem contar os áudios que demoraram a ser cortados e entraram em cenas erradas, o irritante barulho do chiclete de um dos participantes, que ficou por segundos no ar, as entrevistas sem pé nem cabeça com os familiares dos participantes. Não por culpa do Britto Jr., que é ótimo, mas pelo fato de colocar uma pessoa que não é acostumada a falar e jogar logo um programa ao vivo? Ficou estranho.

Vamos pegar leve! Como toda estréia A fazenda e Jogo Duro merecem créditos, mas que ajuste logo ou a audiência vai despencar (Tem solução?!)Até então ambos os programas não valem Nem R$1,99!

h1

Showtime lança “capas de revista” com terceiro ano de Dexter

sexta-feira, 12 setembro, 2008

Que Dexter viria com tudo na terceira temporada todos nós já sabíamos. Dizem até que o serial killer vai desenvolver seu próprio código…

Agora, que o canal showtime também daria seus “lampejos” de maestria aí é outra “prosa”. Até porque a emissora é não é lá uma “brastemp”. Veja que interessante a maneira pela qual a emissora americana resolveu divulgar o seriado.Criaram sete capas de revistas famosas com imagens do bom ator Michael C. Hall, sempre seguindo o estilo editorial da revista e em “poses” bem de acordo com a atuação de Dexter Morgan. Confira: