Posts Tagged ‘Rubro-Negro’

h1

Que o sonho seja realidade (e que seja logo…)

quinta-feira, 10 setembro, 2009

zicoSou fã número 1 do melhor e maior jogador de todos os tempos: Zico. Não cheguei a vê-lo jogar no seu auge, mas quando nasci, em 1982, minha família já me criou em berço Rubro-Negro e, aos poucos, pude acompanhá-lo em campo.

Quando tinha cerca de quatro anos, já apaixonado por futebol, ganhei um travesseiro com a estampa de uma criança vestida com o manto sagrado que foi batizado como Zico. Só conseguia dormir se tivesse tal travesseiro. Minha mãe não podia nem lavar o travesseiro que dava briga. O tempo passou e em todas as “peladas” de rua eu era o Zico.

Sempre apaixonado por futebol, muitas vezes choro ao ver o meu Flamengo na atual situação. É muita picaretagem e pouco amor ao meu time. E por isso ao ver que o Zico saiu do CSKA – time russo que o Galinho era treinador, vejo a oportunidade de ver o meu ídolo comandando o esporte no time que amo.

Não existe casadinha mais perfeita do que Zico e Flamengo. No futebol, são poucos que tem o caráter e a integridade do Galinho. Zico foi, é e sempre será, para mim, o melhor e maior jogador da história do futebol. Dentro e fora de campo Zico é um exemplo de conduta, competência e ética.

Só nós, torcedores apaixonados, sabemos o quanto o Fla precisa do Zico. O Galinho tem amor pelo Flamengo e muita COMPETÊNCIA fora das quatro linhas. Profissionalismo, algo que o Flamengo nunca viu por parte de sua diretoria. Se assumir o Flamengo teremos grandes chances vivermos dias melhores.

Sendo assim, o Flamengo espera de braços abertos alguém que vale mais que R$1,99: Zico! Aposto que nove em cada dez flamenguistas sonham com isso!

h1

Vergonha! Fora diretoria de m****

segunda-feira, 15 junho, 2009
Que vergonha...

Que vergonha...

O Flamengo levou cinco no “lombo” e a torcida quer a cabeça do Cuca, do Bruno, do Juan, Adriano e do “carvalho” a quatro.

Antes de qualquer coisa, vamos aos fatos. Um time que não paga salário aos jogadores e funcionários tem é que fuder dar mal. Então, nação  flamenguista – na qual eu me incluo, antes mesmo de cobrar qualquer coisa do time, vamos cobrar desta diretoria inoperante e de merda que só querem aparecer. Quem vai aparecer agora? No dia da contratação do Adriano teve gente de todo tipo. E agora? Cadê você, diretoria de merda?

Fizeram de tudo no Flamengo, de menos tomar vergonha na cara e pedir para sair. É claro, a “vaca” continua dando leite, né?! Uma hora vai secar… Ou então iremos fazer como o Corinthians fez: caiu para a segunda divisão para tomar vergonha na cara, acabar com a era Dualib, e ter condição de subir novamente.

É isso?! Para o Flamengo ficar gigante novamente terá que cair para a segundona? Então que venha logo… Será que ninguém percebe que o primeiro tumor do Flamengo é o Kleber Leite? Desde quando ele apareceu o Flamengo fica devendo…  

E o “afastado do mundo” do Márcio Braga? E o tal do Delair sem lá do quê? Vamos dar um pé na bunda nessa corja de safados e vigaristas. Cadê a nação rubro-negra? Vai esperar o pior acontecer?

Canta Ivete: “Vergonha, vergonha, vergonha, diretoria sem vergonha!” (Ou seria nós, torcedores sem vergonha?!)

h1

“Se” não joga e o Flamengo se…

domingo, 14 setembro, 2008

Simples, “se” o Caio Júnior tivesse escalado o time certo, deixando o “fora de ritmo” Josiel no banco de reservas. Se o Vandinho tivesse entrado jogando. Se o Sambueza fosse o homem de ligação entre o meio-campo e o ataque desde o início da partida. Se o Caio Júnior não tivesse tanto medo de vencer. Se o técnico Rubro-Negro tivesse mexido no time rapidamente. Se o Flamengo tivesse jogado mais pelas alas no campo de ataque. Se o Flamengo não tivesse tomado um gol na primeira etapa. Se o Ibson voltasse a ser Ibson e deixasse de ser mais um “pipoqueiro” do futebol. Se o juiz marcasse as faltas que aconteceram. Se o Caio Júnior fosse o Vanderlei Luxemburgo…

Se o Dagoberto, Hernanes e Zé Luis não estivessem tão inspirados. Se, se, se… Se vovó tivesse barba seria vovô! Como “se” não joga, vitória justa do São Paulo que jogou com muita vontade e conseguiu seu objetivo.