Posts Tagged ‘Michael’

h1

“Seja a mudança que você deseja ver no mundo”

sexta-feira, 22 maio, 2009
"Seja a mudança que você deseja ver no mundo"

"Seja a mudança que você deseja ver no mundo"

Se existe um seriado que vai deixar saudade esse é Prison Break. Acabei de assistir o 22° episódio da quarta temporada e, como sempre, fui muito surpreendido. É óbvio que no final da perseguição as coisas começaram a ficar mais óbvias e forçadas. Mesmo assim, na cena final eu fiquei completamente surpreso. De qualquer forma vale o registro: como um todo, Prison Break é uma série que vale muito mais que R$1,99.

Prison Break entrou na programação para suprir o recesso de 24 horas. Depois disso Prison Break alcançou altos índices de audiência e foi até onde deu. De fato já não estava dando para manter a história. Muita coisa já havia acontecido e, nesse caso, os últimos episódios já estavam meio estranhos, com muita “encheção de linguiça”, e algumas reviravoltas mais trucadas do que Triplo X. Sim, no final caiu um pouco o nível, mas nada que possa apagar uma das melhores séries da TV. Como um todo foi muito divertido ver tal seriado.

Já assisti e assisto alguns  seriados (Acompanho ou acompanhei: Roma, The O.C., The Unit, Família Soprano, House, Heroes, Lost, Tho and a half man, 4400, Dexter, Fringe, 24 horas), mas poucos foram tão marcantes como Prison Break.  Muito bom mesmo! Vale R$1,99!

Anúncios
h1

Eterno número 2

quarta-feira, 29 abril, 2009
Choooora, fiote!

Choooora, fiote!

Todos nesta vida buscamos ser o número 1 em alguma coisa. Ser o melhor do futebol, da peteca, nas escolas, em história, biologia, entre os jogadores de alguma coisa ou até mesmo no cuspe a distância. Uma hora você tem que subir no degrau mais alto do pódio. É óbvio que tudo depende do referencial. Você pode ser o melhor jogador de truco da sua rua, e não ser nem o décimo do bairro. Enfim, em algum momento, temos que sentir o doce gosto de ser o número 1, o campeão.

 

Em compensação, alguns não têm muita vontade de ser campeão em nada. Ou até tem vontade, mas não conseguem. Um exemplo claro de quem nunca consegue ser o número 1 é o tal do Rubens Barrichello. O cara sempre foi o segundo melhor piloto de quase (o quase é porque não estou levando em conta a época de garoto) todas as equipes na qual trabalhou. E assim foi a vida inteira. E, para variar, sempre coloca a culpa em alguma coisa. Pô, isso é irritante, Rubinho!

 

Antes a culpa era da Ferrari, e não do alemão simplesmente espetacular. Agora a culpa é de quem?! Do Nelsinho Piquet?  Quando foi anunciado que ele seria companheiro de equipe de Jenson Button, na Brawn, pensei logo que ele seria o número 1 da equipe. Pelo visto até era, mas como os primeiros resultados da competição já está ficando nítido que ele será novamente o número 2 da equipe. Santa paciência, Rubinho! Ajuda aí, meu! Vê se ganha de alguém para eu escrever que você vale R$1,99. Enquanto isso,  o esportista Rubens Barrichello não vale Nem R$1,99! Fraco, mas fraco mesmo!

 

Obs.: tenho um irmão que tanto amo (o único, na verdade), que é fã do tal do Rubinho. Meu pai e eu o chamamos – em dia de corrida, de assessor de Rubens, de tanto que ele é fã.Quando ele ver que o texto é contra seu “pupilo” vai dar “pau”. É esperar…