Posts Tagged ‘líder’

h1

Domingão “especial”

domingo, 22 março, 2009

Não sou de reclamar da vida. Pelo contrário, agradeço todos os dias o dom de acordar, de abrir os meus olhos, sair da minha cama, escovar os dentes, tomar aquele banho demorado, tomar o meu cafezinho, sair de casa, entrar no meu carro e seguir para o trabalho. Enfim, coisas simples que dou muito valor.

Em compensação, meu domingo foi de muito trabalho. Não, não vejo problemas. Até gosto. É óbvio que preferia ficar em casa, almoçar com a gatinha, dormir depois do almoço de conchinha, assistir um futebolzinho de leve, o jogo das quatro horas, o das seis… Bom, falando em futebol… Pelo menos o cenário poderia ser pior. Eu não vi o meu Flamengo ser derrotado para o Vasco da Gama. Se não bastasse, também não vi o show do Los Hermanos na Multishow.

Também não vi o Fantástico, muito menos o Pânico. O Big Brother?! Vixxxx…. Pô, que domingão foi esse, heim?! De fato, o meu domingo não valeu nem R$1,99!

Anúncios
h1

“Quem tem medo do lobo mal”?

quarta-feira, 18 março, 2009


clo

Que coisa engraçada… O polêmico deputado Clodovil Hernandes era tido como um maluco, desbocado e sem educação. Após “virar purpurina”, agora é herói, líder e até gênio. Engraçado como o povo tem medo de falar mal de uma pessoa que “bateu às botas”. Sempre o achei muito mal educado, estranho e com algumas atitudes que beirava o ridículo, como foi a uma declaração há alguns anos.

Segundo Clodovil, ele poderia ser chamado de Clô pelos amigos, Vil para os inimigos, e Do “para” todos. De boa, Clodovil sempre foi um “mala sem alça”, não vai ser agora que ele faleceu que irá virar “boa” gente. Inclusive o próprio Clodovil já tinha dito que se considerava uma pessoa “custosa”.

Respeito à dor de quem tem algum afeto por ele, as quase 500 mil pessoas que votaram nele para deputado, mas acho que o povão fala tão bem dele após a morte justamente com medo do difunto puxar o pé (ou outra coisa) na calada da noite. Respeitar a memória é importante e educado. Virar fã após a morte é oportunismo ou vontade de aparecer.

Na minha casa eu sempre digo: quando eu morrer, não quero festa muito menos gente que nunca tive relacionamento chorando ao meu lado, heim?! (rsss).

E vamos que vamos e que Deus o tenha!

Luiz Augusto Reis Almeida
Ps.: Depois dessa, quero ver o que se o Pânico vai zoar o “difunto”.