h1

Conta outra (coisas que não entendo)

quinta-feira, 20 agosto, 2009
carlinhos

Qual é o público do Dado?

Ahh, fala sério “Dona” Record. Gosto muito de Reality show e “A Fazenda” é só mais um no meu currículo. Só não assisto a canseira de “No Limite”.

Sim, gente boa, gosto de TV, assisto muitos filmes, seriados, futebol e tudo que tem de “melhor” por aí. Só não assisto novela. Detalhe: assisto dois canais ao mesmo tempo: futebol mais um programa – Futebol sem áudio, claro! Gravo A Fazenda, CQC, Pânico, Altas Horas e filmes e seriados da Sky.

Enfim, acompanho o reality show que vem destruindo a Globo em audiência. Um dos responsáveis por tamanha audiência foi o excelente Carlinhos, o “Mendigo” do Pânico, que eu já gostava bastante, diga-se de passagem, e que atualmente trabalhava na própria Record.

Mesmo com uma história de vida sofrida que dá até vontade de chorar, o cara é uma alegria só. Na noite da última quarta-feira acompanhei a sua eliminação. Eliminação?  Como assim?! O cara que foi o melhor do programa, que mostrou sinceridade o tempo todo foi eliminado pela porquinha Danni Carlos e pelo Dado Dolabella??? Gente, como???

Quem contabilizou os votos, “Dona” Record? Não, não, não… Na último domingo foi o Pedro, que também é muito bacana, é filho de cantor sertanejo de muito sucesso e tudo mais. E agora o Carlinhos??? “Dona” Record, conta outra.

A picaretagem comeu solta e sem dó… Não importa se é filho de sertanejo ou ex-mendigo de rua, o importante é manter o playboy de merda dentro da fazenda. Assim como o Dado, a Record não vale Nem R$1,99! Teve até campanha de atores famosos, globais (…) em prol da permanência do cara.

E agora, vai dizer que não foi armado? Conta outra… Essa eu não acredito mesmo.

h1

A falta que faz uma agenda

quinta-feira, 20 agosto, 2009

agendaPor Júlio Vasconcelos, do blog Geogente

Todos os dias, na minha rotina de trabalho, logo no primeiro momento, abro minha agenda no correio eletrônico e verifico minhas atividades diárias. Isto se chama planejamento do tempo e é um requisito básico e fundamental para que qualquer ocupante de cargo de gestão que se preze possa administrar. Pelo que parece, a Ex-Secretária Executiva da Receita Federal Lina Vieira nunca se preocupou com isto ou faltou à aula no dia em que esta disciplina foi ministrada .

O próprio Presidente Lula, embora numa manifestação não recomendada, disse a respeito do tão divulgado conflito com a Ministra Dilma Roussef: “É só mostrar a agenda”. Apesar de muito convincente no seu depoimento no Congresso e de tudo indicar que está realmente dizendo a verdade, o fato é de se assustar: uma executiva de tão alto escalão, com quase 30 anos de experiência não tem uma agenda nem que seja de bolso que não vale nem R$1,99 e ainda pior, não tem absolutamente nenhum registro sobre uma reunião com uma persona tão importante quanto uma Ministra de Estado?

E ainda mais, não teve o bom senso de comunicar na ocasião ao seu superior imediato, o Ministro Mantega, a ocorrência de tão importante e delicado fato? Fiel retrato da incompetência no modo de administrar o tempo dos nossos executivos públicos e privados ou um mero caso isolado? Na minha longa experiência dentro das organizações, tenho visto um monte de executivos correndo exasperados de um lado para o outro, quase sempre sem saber onde chegar! Vale a pena pensar…

h1

Confira os vencedores do prêmio Multishow 2009

quarta-feira, 19 agosto, 2009
Ivete Sangalo exibe seu barrigão em apresentação com Zeca Pagodinho

Ivete Sangalo exibe seu barrigão em apresentação com Zeca Pagodinho

A entrega do 16º Prêmio Multishow de Música Brasileira foi um espetáculo. Os premiados, em alguns casos, não estão de acordo com a minha opinião. Questão de gosto mesmo. De uma maneira ou outra foi interessante e valeu. Confira abaixo os ganhadores e os comentários:

Melhor cantor:
Seu Jorge – Precisa comentar? Seu Jorge é um espetáculo. Feeeera, cheio de atitude e com um estilo muito dele.

Melhor Cantora:
Marisa Monte. Não sou fã dela, mas acho que no ano em questão ela foi a melhor.

Melhor CD:
“Agora”, NXZero. INFELIZMENTE é o que temos que aguentar. Mesmo não sendo fã, o NXZero marca de celular? é a cara do nosso atual pop rock (?) e tem uma tremenda aceitação.

Melhor Clipe:
“Ainda gosta dela”, Skank. Linda a música, clipe bem legal. “Desabafo”, do D2, também poderia ter ganho. Ahhh, foi bem escolhida.

Melhor DVD de Música:
“Infinito ao seu redor”, Marisa Monte. Como disse, não sou nem um pouco fã. Torci muito para Juntos e ao vivo, do Paralamas do Sucesso e Titãs.

Melhor grupo:
Fresno. Anh?! É… O que posso fazer. Deu o “Fresco”. É óbvio que o público teen da banda deve ter passado horas na frente do computador votando “nisso aí”. Fresno, para mim, não vale R$1,99!

Melhor Instrumentista:
Débora Teicher, Scracho. Não toco nada, portanto não opino.

Melhor Música:
“Amado”, Vanessa da Mata. ESPETACULAR a música! Muito boa mesmo… Mais que merecido. E ano que vem Vanessa da Mata vai ganhar tudo que for possível, ainda mais após o seu DVD Multishow.

Melhor Show:
“Multishow ao vivo”, Capital Inicial. Simplesmente mágico. Um dos melhores DVDs de show que já vi. Os caras conseguiram juntar um mar de gente em Brasília e arrebentaram. Tocaram até música dos Raimundos. Muuuuito bom!

Revelação:
Banda Cine. Sinceramente, conheço pouco.

TV Zé:
“Dalila”, Ivete Sangalo. Vi todos e morri de rir. Foi bem escolhido.

O Skank ganhou o novo prêmio criado: “Iniciativa”. A categoria foi criada para premiar a banda que melhor (e de maneira criativa) distribuiu a sua música.  No caso, a atuação do Skank na internet foi o que pesou na premiação. “Tudo o que a gente desenvolveu no nosso site foi fruto dessa empreitada. A web é isso e estamos cada vez mais próximos de vocês. Depois de cada show vocês nos dão esse feedback”, afirmou o vocalista Samuel Rosa.

Bacana, né?! O prêmio Multishow vale mais que R$1,99!

h1

Isso é normal???

quinta-feira, 13 agosto, 2009

subornando-guarda1Por Júlio César Vasconcelos, do Blog Geogente

Confesso que fiquei estarrecido! Em reportagem recente divulgada pelo Fantástico, uma pesquisa livre envolvendo cerca de 400 pessoas em São Paulo constatou que dentre os pesquisados, 48% afirmou que aceitaria sim propinas como a do mensalão, subornam policiais para não pagar multas e sonegam impostos naturalmente, sem qualquer dor de consciência, entre outros “deslizes” considerados menos graves.

O mais interessante é que é este mesmo cidadão o que joga pedra nos políticos, criticando de maneira veemente suas maracutaias! Esta semana, viajei a trabalho e precisei de um recibo de táxi para reembolso junto à Faculdade onde sou professor. O motorista de táxi, com uma cara limpa e desavergonhada me perguntou de quanto eu queria o recibo, fazendo um comentário sarcástico que era para eu ganhar um dinheirinho a mais…Quando o questionei sobre a ilegalidade do fato, ele se mostrou surpreso com a minha atitude, provavelmente achando-me com cara de babaca! Afinal isto é tão comum, todos fazem!…

É uma verdadeira lástima! Antes de mais nada precisamos nos olhar no espelho! Se não mudarmos nosso jeito de ser, como poderemos cobrar coerência, ética e responsabilidade daqueles que nos representam?  Sinceramente, cidadãos com  comportamentos típicos como este do motorista de táxi não valem nada, nem R$1,99! O pior de tudo que, como mostrou o Fantástico, parece ser um comportamento comum da maioria dos brasileiros!

h1

Calar é mais fácil

terça-feira, 11 agosto, 2009

transitoHá 15 dias aconteceu comigo um fato bem interessante. Estava trafegando em uma das principais avenidas de Três Corações, cidade na qual resido, atrás de um Ford Fiesta preto que a cada rua me trazia uma novidade. O cara do carro de frente literalmente não sinalizava nada que iria fazer. A seta do seu veículo deveria estar até com teia de aranha de tanto que não era utilizada.

Com esse tipo de condutor, a distância de segurança deve ser dobrada, certo?! Pois é, deveria, porque um motoboy que andava um pouco mais rápido (pleonasmo?) ultrapassou o meu carro, que estava na direita, e já estava ultrapassando o Fiesta quando…. Putz! Não era um motoboy, era um super-homem! O rapazinho voou por cima do carro. Para se ter uma ideia, ele conseguiu dar um amassadinho quase no teto do Fiesta. Todos que lessem o citado acima diriam que o motoboy estava errado e que esse “povo” só anda a mil por hora.

Pois então, desta vez a coisa não foi bem assim. Apesar de mais rápido que ambos os veículos, o motoboy não estava correndo. Estava dentro da velocidade permitida. Como a pista é dupla, o condutor do Fiesta e eu estávamos na pista da direita, que é para veículos mais lentos. Só que, no meio da pista, à esquerda, havia um retorno para o outro sentido da avenida. No momento que o motoboy estava na pista da esquerda, o Fiesta, sem dar seta, “balangar” ou balançar o braço, piscar o olho ou coisa do tipo, entrou para retornar e “crash”. Não poderia dar outra.

Parei para ver a situação do rapaz, mas ele surpreendeu. Levantou como um gato e disse que não tinha se machucando. Já o condutor do carro, que agora sei que é um sr., saiu xingando até a última geração do “gato” e dizendo que ele iria pagar pelo conserto. Mal quis saber se o rapaz estava vivo ou morto. O motoboy, assustado, disse que a moto é da empresa e que ele não pode pagar, até porque ele acusou o sr. de não ter dado a seta. E o sr., dono da razão, xingou muito e afirmava que o motoboy iria pagar.

Como ninguém havia machucado, sai e fui em direção do meu carro. Parecia que um anjo do bem falava comigo: vai lá, conte a verdade ou então o rapaz da moto vai se dar mal. Você viu o que aconteceu, seja justo. Já o anjo “malvado” era taxativo: o que você tem com isso? “Vaza”, continua seu caminho.

Voltei e no meio da discussão, que já contava com um agente de trânsito cheio de dúvida, entro dizendo: “estava atrás de ambos os veículos e vi a colisão”. O agente, mais que depressa pede ajuda, afinal estava complicado para entender a situação. Disse a verdade, que o sr. do Fiesta não deu seta, que o motoboy não estava correndo e que a culpa não foi do motoboy. Na mesma hora o sr. ficou muito bravo, disse que era um erro e que estava sendo injustiçado. Deixei meu telefone caso fosse necessário e fui embora com o dever cumprido. Talvez se não tivesse falado a verdade o motoboy teria que pagar o conserto da moto e do carro, poderia ser mandado embora do seu empreto ou coisa do tipo.

Talvez nós, cidadãos brasileiros, deveríamos nos manifestar mais a respeito de diversas injustiças e picaretagens do nosso país. Não, preferimos ficarmos sentados na frente da TV, afinal de contas não está nos afetando diretamente. (Não?!) Será que existe um “anjo do bem” dentro de nós, nos atiçando para nos manifestarmos? Ou será que só iremos nos manifestar quando atingir em cheio o nosso umbigo? Sociedade de “merda”, não vale nem R$1,99!

h1

Mais cinco em cena

sexta-feira, 7 agosto, 2009

Galera,

Primeiramente peço desculpas por não ter postado o cine em cena da semana passada. Na verdade estou mais que “apertado de costura”. De qualquer maneira fiz uma seleção com cinco filmaços para agradar gregos, troianos e até incas. Então vamos ao que interessa. O esquema da nota vocês já conhecem, certo?! (Se não conhece, leia). 

a-mulher-invisivel-cartazMulher invisível: Pedro (Selton Mello) acreditava no casamento, mas foi abandonado pela esposa. Após três meses de depressão e isolamento, ele ouve batidas na sua porta. É a mulher mais linda do mundo pedindo uma xícara de açúcar: Amanda (Luana Piovani), sua vizinha. Pedro se apaixona por aquela mulher perfeita, carinhosa, sensível, inteligente, uma amante ardente que gosta de futebol e não é ciumenta. Seu único defeito era não existir. 

Nota 5. Vi no cinema e achei muito bacana. Há um bom tempo estou vivendo a paixão por cinema nacional. Não que tenha sido uma superprodução, mas está cada vez mais se firmando no cenário. A atuação de Selton Mello foi espetacular. Como foi em “Lisbela e o prisioneiro”, e assim como está sendo em todos os seus papéis. Talvez “Mulher invisível” não tenha sido o melhor filme nacional do ano, mas está entre os três mais. Detalhe: o melhor, até então, foi o Divã. Obs.: “Cuecas” de plantão, a chata da Luana Piovani aparece em todas as cenas com trajes bem “interessantes”. Precisa comentar mais?

x-men-origens-wolverineX-Men Origens: Wolverine
Antes de se juntar aos X-Men, Wolverine inicia uma busca pela verdade sobre seu passado, que envolve seu complexo relacionamento com Victor Creed, o Dentes-de-Sabre, e o programa Arma X. 

Nota 4. Para o estilo agradou, mas esperava mais. Apesar de ser a origem do personagem, achei muito estranho o final do filme. É óbvio que era de se esperar, mas… Wolverine sempre foi o X-Man de maior destaque e por isso esperava um filme muito acima da média. E não foi. Na trama a atuação de Victor Creed é até mais interessante do que a própria origem de Wolverine. Aposto que os HQ´s, os fascinados por gibis, não gostaram do filme. 

serialSerial Killer
Durante as investigações do assassinato da ex-amante do Dr. Sam Charney (Rutger Hauer, de Blade Runner, O Caçador de Andróides), a experiente detetive Della Wilder (Pam Grier, de Jackie Brown) acaba descobrindo uma série de misteriosos assassinatos de mulheres que, de alguma forma, estão ligados a uma grande e poderosa companhia farmacêutica. Agora, depois de ter descoberto essa terrível e mortal conspiração, Della precisa resolver rapidamente o caso, antes que ela e o doutor acabem mortos.

Nota 4. Brutal, heim?! Que nada… Filme de investigação bem legal. Cheio de reviravoltas, mas só não ganhou nota máxima porque o final é muito previsível.

sombraNa sombra do crime
Quando um conhecido dublê de Hollywood, Jimmy Pierazzi (Lillo Brancato) – amigo de infância do assassino de aluguel  Eric O’Byrne (Matthew Modine) – morre em um trabalho supervisionado por Lance Cooper (James Caan), alguém pede a morte de Cooper e contrata Eric para fazê-lo. Para conseguir sucesso em sua missão, Eric resolve aproximar-se da filha de Cooper, o caminho  mais fácil para chegar ao alvo. Mas, na tentativa de realizar o serviço, acaba apaixonando-se pela filha de seu alvo e descobre que Cooper não teve nada a ver com a morte de seu amigo, foi apenas um acidente provocado por um erro de Jimmy.

Nota 4. Achei que terminar esse filme seria a coisa mais complicada do mundo. Pelo contrário. A trama é bem legal. Nota 4. Sem muito louvor, mas não é de arrepender.

12-e-demais-poster02Doze é demais
Tom Baker e Kate Baker conseguiram uma proeza certamente admirável: ter 12 filhos. A família, apesar de demasiada grande, é feliz e muito brincalhona. Apesar das bagunças eventuais, eles vivem em paz e harmonia, numa pequena cidade chamada Illinois. Tom Baker é um técnico de um time de futebol americano e, após conseguir uma promoção invejável, tem de se mudar para a cidade grande. É claro que toda a família vai junto. Quando Tom começa a não ter tempo para seus filhos, a confusão começa. 

Nota 3. Na seleção da semana não poderia faltar o besteirol, né?! Esse é bem água com açúcar. Não é dos piores, mas também não é aquele filme, que pode ser indicado.

Agora é preparar a pipoca, o refri e bom filme!

h1

Entre o Trapalhão e a Melão

segunda-feira, 3 agosto, 2009
Fruta na política?

Fruta na política?

Por Júlio Vasconcelos, do blog Geogente.

Precisamos urgentemente deflagrar uma campanha sistemática e massiva de conscientização para ensinar o povo brasileiro a votar. Já não basta mais ficar se martirizando e criticando as maracutaias dos donos das capitanias hereditárias do Congresso.

Precisamos fechar a fábrica de escroques que se assentam de maneira despudorada e despreparada nos tronos do poder explorando a inocência do povo através do voto popular. A mídia vem divulgando que um trapalhão e uma mulher melão pretendem se candidatar.

dedeEle é o Dedé, um trapalhão sem graça que fez sucesso às custas dos outros três colegas famosos e ela é Renata Frisson, uma morena roliça e troncuda de 21 anos que fez sucesso balançando as redondices e protuberâncias exarcebadas em bailes funks do Rio de Janeiro. Dizem que ele quer chegar à Câmara  ou ao Senado e ela à Assembléia Legislativa do Estado.

Precisamos alertar nosso povo. Não podemos permitir que mais trapalhões venham transformar em palhaçada a já intitulada “casa dos horres” da política brasileira, que já não vale nem R$1,99! Ele que continue com suas trapalhadas sem graça para a meninada e ela rebolando o volumoso “créu” para o frisson da moçada da baixada.