Archive for the ‘Recordar é viver’ Category

h1

Recordar é viver: Raimundos

sexta-feira, 25 julho, 2008

Já era madrugada de segunda-feira quando meu amigo Gabriel Sadoco e eu voltávamos da cidade de Três Pontas, cidade vizinha de Três Corações, quando começamos a relembrar uma banda que fez muito sucesso na década de 1990, o Raimundos. Abaixamos o som do carro para cantar uma música muito louca, que agora é tema do “Recordar é viver”.

Formada em 1987 em Brasília, o Raimundos tinha como estilo predominante o hardcore punk e sua maior influência foi o Ramones, inclusive a banda passou por um bom tempo como cover dos Ramones. O guitarrista e vocalista Rodolfo Abrantes, e o baterista Digão, começaram a escrever as primeiras histórias da banda, e convidaram o baixista Canisso para integrar a grupo. Com os problemas auditivos apresentados por Digão, a banda convidou Fred para ser mais um integrante do Raimundos, enquanto o ex-baterista assumiu a guitarra.

Em 1992 a banda gravou uma fita demo contendo as músicas Nega Jurema, Marujo, Palhas do Coqueiro e Sanidade. Iniciava aí o sucesso dos Raimundos, que aos poucos começaram a tocar no Rio de Janeiro, abrindo diversos shows, como os do Camisa de Vênus, Ratos de Porão e Titãs, até serem reconhecidos pela mídia. Em 1994, Rodolfo e seus companheiros lançaram seu primeiro disco que recebeu o mesmo nome da banda.

O álbum, que continha letras carregadas de palavrões em caráter cômico e regada a influencia nordestina, teve uma boa aceitação e vendeu cerca de 150 mil cópias. Músicas como Puteiro em João Pessoa, Nega Jurema e Marujo foram bastante executadas. Em compensação, o grande sucesso do disco foi uma música um tanto quanto “pornográfica” intitulado como Selim. A grande consagração da banda aconteceu em 1995, com o disco “Lavô Tá Novo”. O grupo deixou de lado o estilo nordestino, manteve as letras carregadas de palavrões, e conquistou muito sucesso. Músicas como “Eu quero ver o oco”, “Esporrei Na Manivela”, “Pitando No Kombão”, “O Pão da Minha Prima” e “I Saw You Saying”, garantiram o sucesso da banda e a consolidação no cenário nacional. Logo após a banda aumentou ainda mais o sucesso com o disco “Cesta Básica”.

Em 1997 o Raimundos gravou em Los Angeles o disco “Lapada do Povo”. No disco, o grupo deixou de lado o estilo engraçado para investir em músicas de maior peso e mais sérias. Entre as músicas do disco que “salvaram”, destaque para a regravação de “Oliver´s Army”, de Elvis Costello, e uma versão da “Pequena Raimunda”, dos Ramones. Apesar de não ter feito tanto sucesso, o disco foi considerado como bom pela crítica especializada.

Se em 1995 havia acontecido a consagração do Raimundos, o auge do sucesso veio em 1999, com o disco “Só no Forevis”. O fato engraçado do disco foi que a primeira tiragem do CD foi roubada e a banda apareceu nas páginas policiais (como vítimas, claro) de diversos jornais. Em compensação o álbum foi o mais vendido e várias música emplacaram nas rádios, na MTV e fizeram muito sucesso, destaque para “A mais Pedida”, “Me lambe” e “Mulher de Fases”.

Em 2001, cansados de entrar em atrito, os integrantes da banda anunciaram o fim dos Raimundos. O principal motivo do término da banda foi a opção religiosa do até então líder do Raimundos, Rodolfo. Dois meses após, Digão, Fred e Canisso retornaram com a banda e lançaram o disco Éramos 4. Após a saída de Rodolfo, que hoje é vocalista do Rodox, a banda não conseguiu alcançar seus objetivos e seus membros foram pouco a pouco deixando a banda.

Atualmente a banda vive no cenário alternativo, fazendo shows de médio porte. A principal aparição do grupo foi no programa “Altas Horas”, em abril deste ano.

Anúncios
h1

Recordar é viver: Los Hermanos

sábado, 19 julho, 2008

Já gostei de muitas bandas, muitas mesmo. Poucas delas deixaram tanta saudade como o grupo Los Hermanos ainda deixa. Isso mesmo, Los Hermanos. Não pare de ler, afinal de contas Los Hermanos é muito mais que a música Anna Júlia, ou melhor, era muito mais, pois o grupo está passando por um hiatus.

Sim, a banda Los Hermanos é o tema do “Recordar é viver” da semana e a música do clipe abaixo é intitulada como Sentimental, lançada no segundo álbum da banda, “Bloco do Eu Sozinho”.

O Los Hermanos surgiu no Rio de Janeiro em 1997 e seu primeiro CD recebeu o nome da banda, sendo lançado em 1999. No primeiro disco, as letras das músicas foram semelhantes a músicas da Jovem Guarda, influenciado também pelo rock, ska, MPB e samba. Seu grande sucesso foi a música Anna Júlia, um hit quase excluído na seleção de músicas, mas que fez grande sucesso, levando o disco a ser indicado ao Grammy de 2000.

Já em 2001 a banda lançou o álbum Bloco do Eu Sozinho, e com ele veio um caráter extremamente melancólico em diversas canções, desagradando grande parte do público e refletindo nas vendas do disco. Em compensação, uma grande legião de fãs começou a se formar e a crítica especializada começou a elogiar o álbum. O destaque da banda aumentou ainda mais quando os fãs souberam de toda a divergência que havia entre a banda e a gravadora, no caso a Abril Music.

Em 2003 a banda trocou de gravadora, passando para a BMG, atual Sony&BMG, mas antes da gravação do disco a banda deixou de contar com o baixista Patrick Laplan, que alegou divergências musicais com Marcelo Camelo, Rodrigo Barba, Rodrigo Amarante e Bruno Medina.

O disco Ventura o Los Hermanos conseguiu agradar não só os fãs, a crítica, mas uma grande parte do público que já não acreditava na banda. Com ela vieram a música “Cara Estranho”, que marcou boa presença nas rádios e em premiações de videoclipes. Surgia também na banda um grande letrista, o guitarrista Rodrigo Amarante, que assinou cinco das 15 músicas do Ventura. Já o vocalista Marcelo Camelo ganhou ainda mais destaque após gravar músicas com Maria Rita e conquistar assim a desconfiada ala de críticos especializados.

No quarto DVD da banda, denominado como “4” e produzido por Alexandre Kassin, mostrou o conteúdo da banda ainda mais próximo da MPB. Em contrapartida o disco foi considerado pela crítica como regular, mas ficou muito claro que a banda estava assumindo um novo rumo na carreira. Em abril de 2007 a banda anunciou um recesso por tempo indeterminado nos trabalhos por estarem com muitos projetos pessoais e paralelos. Desde então a banda não voltou às atividades e deixa muita saudade em seus fãs.

h1

Recordar é viver: Guns N’ Roses

quarta-feira, 9 julho, 2008

O recordar é viver desta semana traz o clipe da música Welcome to the jungle, gravada pela banda que eu simplesmente adoro: Guns N’ Roses. Inclusive o meu “adorar” já foi muito maior no auge do grupo, que surgiu em Los Angeles, Califórnia, em 1985, e vendeu mais de 90 milhões de cópias em todo o mundo.

A história da banda começou em 1983 quando o vocalista W. Axl Rose deixa a banda Rapid Fire para montar uma nova banda com seu amigo de infância Izzy Stradlin.

O primeiro nome da banda foi Hollywood Rose e era formada por Axl, (vocais), Izzy Stradlin (guitarra), Chris Weber (guitarra), Rick Holland (baixo) e Johnny Kreiss (bateria). A nova banda consegue algum destaque nos subúrbios de Los Angeles, com muitas composições próprias – que futuramente seriam tocadas pelo Guns n’ Roses. A banda encerrou suas atividades na virada de 1984 para 1985.

A partir daí surge realmente o Guns N’ Roses, que teve a primeira formação com Axl no vocal, Izzy como guitarrista base, e mais três integrantes de uma banda também recém dissolvida, a L.A.Guns.

Com essa formação a banda só se apresentou uma vez, em março de 1985. Após o show, Ole Beich foi substituído por Duff Mckagan. Após alguns shows com a formação (Axl, Tracii, Izzy, Duff e Robbie) o guitarrista Slash e o baterista Steven Adler entraram nos lugares de Tracii Guns e Robbie Gardner.

Surgiram às primeiras turnês e a banda escreveu um dos seus hinos, “Welcome to the Jungle”. As alterações na formação da banda sempre foram constantes, assim com os problemas com as drogas e de relacionamento em todas as esferas.

Em 1989, a banda começou com uma perda. Steven Adler não conseguia tocar bateria de tão drogado e foi expulso pela banda. No ano seguinte, o baterista Matt Sorum, que tocava com os ingleses do The Cult, assumiu o posto no Guns, enquanto o tecladista Dizzy Reed também se uniu à banda. Em janeiro de 1991 , a banda tocou para o maior público que até então conseguiu reunir: 140 mil pessoas no festival Rock in Rio 2 realizado no estádio Maracanã.

Em 1993, uma canção escondida de Charles Manson, serial killer famoso por ter assassinado uma atriz famosa e um grupo de escoteiros, “Look at Your Game Girl”, fora incluída a pedido de Axl, mas contra a vontade do grupo, causando polêmica interna.

Se não bastasse, em 1994 Axl é processado por agredir sua ex-esposa e pela sua ex-namorada. Já Gilby Clarke, que substituiu Izzy Stradlin, foi demitido pelo líder do Guns. Paul Huge entrou para o seu lugar, e tocou num cover de “Sympathy for the Devil”, dos Rolling Stones, , incluída na trilha sonora do filme Entrevista com o Vampiro. Em compensação, Paul Huge, amigo de infância de Axl, não foi bem aceito pelos outros, principalmente por Slash.

Com isso, em 1995, Slash criou um projeto paralelo ao GNR e começou com a banda Slash´s Snakepit. Já em 1996 o guitarrista deixou o GNR e foi substituído por Robin Finck, guitarrista do Nine Inch Nails. Em 1997 pediu “pinico”, deixando o GNR, e o baterista Matt Sorum foi despedido em 1998. Restava apenas Axl, que comprou os direitos sobre o nome Guns N´Roses. Atualmente Slash, Duff e Matt Sorum estão juntos na banda Velvet Revolver, enquanto o Guns N’ Roses vive mudando de formação e se apresenta esporadicamente mundo a fora.

h1

Recordar é viver: Silverchair

quarta-feira, 2 julho, 2008

A banda australiana Silverchair é quem interpreta a música Miss you Love do “Recordar é viver” da semana.

A banda, que já se chamou Short Elvis e Innocent Criminals, inicialmente era composta por quatro integrantes: o guitarrista Tobin Finnane, o vocalista e também guitarrista Daniel Johns, o baterista Ben Gillies e o baixista Chris Joannou. Até então a banda iniciou seus trabalhos tocando músicas de Midnight Oil, Deep Purple, Led Zeppelin e Black Sabbath.

Posteriormente Finnane mudou-se para a Inglaterra, mas o trio continuou a todo o vapor até compor a música “Tomorrow”, que foi apresentada no concurso de bandas demos chamado “Pick Me” e que o Silverchair venceu, conquistando assim o direito de gravar um videoclipe e um álbum.

Após vencer o concurso, o Silverchair ganhou repercussão na Austrália, logo após na Ásia, Europa e América.

Em compensação, após a turnê do disco Diorama, a banda passou por um hiato e seus integrantes se dedicaram a projetos paralelos. O fim do hiato aconteceu em dezembro de 2005 e, desde então, a banda vem fazendo diversos shows mundo a fora, sendo que seu último trabalho recebeu o nome de “Young Modern” e já conta com três música de sucesso – Straight Lines, Reflections of a Sound e If you keep loosing sleep.