Archive for the ‘Personalidades’ Category

h1

Quebrar paradigmas

terça-feira, 25 agosto, 2009

Quebrar_a_correnteUm dos temas mais badalados nos últimos dias no esporte é o desempenho do velocista Usain Bolt, o homem mais rápido do planeta. Alguns meios de comunicação dizem que ele está superando a barreira do corpo humano. Outros já falam do estilo do campeão, que é bem humorado e foge do tradicional estilo de concentração: quase sempre formado por um silêncio que corta os nossos ouvidos.

Assim como ele, o nadador brazuca César Cielo também ficou famoso por se bater antes das suas provas. Interessante, certo?! Bem diferente do convencional.

De fato acho bárbaro pessoas que fogem da normalidade e quebram os paradigmas da sociedade. Para mim são mais que campeões, são ultracampeões, pessoas que valem mais que R$1,99!

Fora do meio esportivo também gosto muito do estilo, digamos, diferente. Não sou defensor de quem fala e não faz (sem bordão) vive, de quem planta a sua ideologia e não consegue vivê-la na sua essência. Sou defensor de quem cria o seu estilo – ou aprimora, talvez, consegue dar sequência e ser verdadeiro consigo mesmo.

O ambiente de sala de aula, por exemplo, é um local que brota experiências espetaculares. E quem disse que é necessário virar uma parasita para garantir que está aprendendo ou não?! “Menino, calado. Vou te dar um ponto negativo por estar conversando… Dentro de sala de aula é local de concentração total…” Quantas vezes escutei isso? Será que ficar calado o tempo todo era a solução de uma educação eficaz? Hoje agradeço aos comentários insanos de sala de aula – a minha “veia” crítica agradece eternamente.

Temos que repensar muitas coisas. Será que o normal é o melhor? Ou será que o normal é o mais cômodo? Quem sabe uma nova proposta de ensino, uma nova proposta para o senado, um novo estilo de vida?! O mundo precisa de pessoas que mudam os paradigmas.

Bob Marley ficou famoso por popularizar o reagge?! Também… Bob Marley ficou famoso por tratar em suas músicas e no seu estilo temas como religião e principalmente questões sociais, até então tidas como paradigmas naquela realidade. E a partir daí o povão ama Bob Marley e seu estilo… de fumar “unzinho”. Gente, que tal utilizar o que ele fez de bom? Nada contra quem fuma ou deixou de fumar. Apenas defendo que, assim como ele, quebrar os paradigmas é importante, mas desvirtuar a realidade e achar pontos que são convenientes para nossa vida é ridículo. É questão de coerência…

Que venha novas pessoas, novos seres de diversos campos que irão quebrar alguns de nossos paradigmas. Quem sabe assim a nossa sociedade consegue evoluir e valer mais de R$1,99!

Anúncios
h1

Conta outra (coisas que não entendo)

quinta-feira, 20 agosto, 2009
carlinhos

Qual é o público do Dado?

Ahh, fala sério “Dona” Record. Gosto muito de Reality show e “A Fazenda” é só mais um no meu currículo. Só não assisto a canseira de “No Limite”.

Sim, gente boa, gosto de TV, assisto muitos filmes, seriados, futebol e tudo que tem de “melhor” por aí. Só não assisto novela. Detalhe: assisto dois canais ao mesmo tempo: futebol mais um programa – Futebol sem áudio, claro! Gravo A Fazenda, CQC, Pânico, Altas Horas e filmes e seriados da Sky.

Enfim, acompanho o reality show que vem destruindo a Globo em audiência. Um dos responsáveis por tamanha audiência foi o excelente Carlinhos, o “Mendigo” do Pânico, que eu já gostava bastante, diga-se de passagem, e que atualmente trabalhava na própria Record.

Mesmo com uma história de vida sofrida que dá até vontade de chorar, o cara é uma alegria só. Na noite da última quarta-feira acompanhei a sua eliminação. Eliminação?  Como assim?! O cara que foi o melhor do programa, que mostrou sinceridade o tempo todo foi eliminado pela porquinha Danni Carlos e pelo Dado Dolabella??? Gente, como???

Quem contabilizou os votos, “Dona” Record? Não, não, não… Na último domingo foi o Pedro, que também é muito bacana, é filho de cantor sertanejo de muito sucesso e tudo mais. E agora o Carlinhos??? “Dona” Record, conta outra.

A picaretagem comeu solta e sem dó… Não importa se é filho de sertanejo ou ex-mendigo de rua, o importante é manter o playboy de merda dentro da fazenda. Assim como o Dado, a Record não vale Nem R$1,99! Teve até campanha de atores famosos, globais (…) em prol da permanência do cara.

E agora, vai dizer que não foi armado? Conta outra… Essa eu não acredito mesmo.

h1

Tas, a mania!

quarta-feira, 22 julho, 2009

tasCareca, cabeçudo, muito estranho e que anda se reproduzindo mais que greemilliens. Não, gente boa, não estou falando de nada sexual e nem do Ronaldo Fenômeno nos tempos que jogava na Europa.

Bom, na verdade estou falando de outro fenômeno, só que esse de competência e de audiência. Trata-se de Marcelo Tas, o jornalista âncora do programa Custe o Que Custar – CQC, da Bandeirantes.

Enquanto muitos ainda se iludem com apresentadores sem o mínimo de conteúdo, Tas vem conquistando cada vez mais espaço na TV e principalmente na internet graças aos seus comentários irreverentes, mas que trata de diversos assuntos de maneira muito séria. Com muito bom humor, e acima de tudo competência, Tas conquistou uma legião de fãs, tem um dos blogs mais premiados do país, e seu twitter está repleto de seguidores.

Para os que acreditam que humor e “coisa séria” não combinam, está aí a prova viva. Pela competência e pelo ótimo humor, Marcelo Tas vale mais que R$1,99!

h1

O show não pode parar

segunda-feira, 6 julho, 2009
O verdadeiro Michael Jackson

O verdadeiro Michael Jackson

É inegável a importância que o cantor Michael Jackson teve no cenário pop mundial. Ele foi um ícone, um ótimo artista. Como costumo dizer, após a morte todo e qualquer cidadão vira deus, vira um ser especial. Até o José Sarney corre o risco de virar santo. E com o com Michael Jackson isso não é diferente, mas ele foi de fato um marco para o pop mundial.

Depois de transformar o astro em um santo, o show deve continuar. Sim, show até em sua morte. MJ terá seu velório, que será no ginásio Staples Center, em Los Angeles, transmitido por várias emissoras de televisão por todo o mundo. Se não bastasse, serão sorteados ingressos, dos quais alguns fãs ficarão no próprio ginásio, enquanto outros fãs “contemplados” ficarão no “Nokia Theater” – local onde serão colocados três telões transmitindo o velório do astro pop.

Quem quiser participar do sorteio basta se cadastrar em um site (www.staplescenter.com), ou até mesmo ver o velório pela internet.

Esse é o cumulo! Sortear ingresso para um velório?! Gente, nem o Papa João Paulo II fez isso. É muito… Até o enterro do “camarada” virou evento sei lá de quê. Talvez por isso o mundo esteja desse modo. É muito destaque para pouca coisa. Não que o MJ tenha sido “pouca coisa”, mas imaginar que até o seu enterro será transformado em show?!

Deixa o cara ser enterrado em paz, gente boa! Se é fã, faça sua manifestação nas ruas, vista de MJ, faça gol e comemore como o astro, dance moonwalk pelos cantos, mas será que é tão necessário entrar em um sorteio para ver o corpo (a ossada, pelo visto) ser enterrada?! Pior ainda é a família permitir (ou criar?) esse tipo de coisa. Êta povinho que não vale Nem R$1,99! Realmente, o mundo está de pernas para o ar.

h1

Imperador do Rio

quinta-feira, 7 maio, 2009

imperadorO Flamengo é mestre em  negócios da China. O ápice da “inteligência” foi trocar o Reinaldo, atualmente no Botafogo, mais o Adriano Imperador – que na época era um mero “bonecão do posto”, mais 5 milhões pelo Vampeta. Sim, o Imperador foi a moeda de troca pelo Vampeta. E olha que ele não valia nem metade do “velho” Vamp. Hoje Adriano está de volta ao Flamengo. Graças a sua vontade, e não pelo fato da diretoria rubro- negra ter feito um “puta” esforço.

Talvez até por medo dele virar um outro Ronaldo da vida, que irá brilhar em outro time, que a diretoria mais que amadora do Flamengo resolveu dar uma “chance” para o Imperador. (Flamengo, quebrado como está, dando chance para o Imperador…rs)

Vai dar certo?! Não sei. Torço! Até porque o jogador vai dar visibilidade ao Flamengo no exterior. Isso é fato! Sorte para ele e para o Flamengo. Tomara que marketing do clube dê show como o do Corinthians fez com Ronaldo. Agora, voltando à essência do “bom” negócio, dá para entender o negócio da China feito pelo Flamengo??? Vale R$1,99??? Tsc, tsc, tsc.

h1

Opinião de quem entende

segunda-feira, 27 abril, 2009

leonardoCom apenas 12 anos e já fascinado com futebol (Já? nasci nesse estado), acompanhei a Copa do Mundo de 1994 como um torcedor de primeira qualidade. Torci muito, até quebrei um crucifixo na final, quando Márcio Santos errou o primeiro pênalti do Brasil.

Enfim, no final deu tudo certo. Assim, em 1994 comecei a admirar grande parte daquele plantel que fez muito, conquistando um título até então improvável. Dentro daquele grupo, além da dupla Bebeto e Romário, que todos bateram muita palma, tinha um “camarada” que era um show. Era não, é!

Estou falando de Leonardo, o cara da cotovelada, como muitos dizem por aí. No evento da cotovelada, que quase “matou” um jogador dos Estados Unidos, Leo assumiu a culpa e deu sua explicação na maior honestidade do mundo. Não jogou mais o mundial, mas mesmo assim fechou o evento como um campeão de caráter e personalidade.

Léo aposentou, virou dirigente do Milan, é muito respeitado, principalmente fora do país. É um dos caras mais inteligentes que o futebol já viu. Pelo visto, é louco para assumir algum cargo na seleção ou até mesmo no Flamengo.

Há alguns dias teve a coragem de “meter” a cara na televisão e dizer que os times brasileiros deveriam ser vendidos. Enquanto a mídia ainda tem medo de dizer isso, o cara assumiu sua posição e ponto final.

Fiquei pensando: vender um time de futebol?! Imagina vender o meu Flamengo? É claro que esse é o caminho. Já está mais que comprovado que os times de futebol estão como estão graças ao amadorismo dos “torcedores/dirigentes” de merda do futebol brasileiro.

Bom, mais uma vez Leonardo acertou. Grande sujeito, um profissional dentro e fora das quatro linhas. Tomara que um dia ele vire o presidente da CBF ou do Flamengo.  Vale R$1,99!

h1

Um burguês chamado Cazuza

sexta-feira, 3 abril, 2009

cazuzaPor Luiz Augusto Reis Almeida

Meus pais, ou melhor, meus dois mestres, na qual tenho o maior respeito e referência de vida, sempre me ensinaram coisas boas e acima de tudo me mostraram o quanto é importante seguir bons exemplos. Por outro lado, o eterno astro brasileiro, Cazuza, que também admiro, canto suas músicas e tudo mais, conquistou uma legião de fãs por causa de suas composições fortes e marcantes.

E quem não gosta do cantor Cazuza?! Ele vale muito mais que R$1,99. Em compensação, as atitudes de Cazuza foram lastimáveis. De fato ele passou a vida como um burguesinho irresponsável, que tinha uma mãe maravilhosa, mas que vivia passando a mão em sua cabeça, e um pai totalmente ausente. Pais que não tiveram pulso para manter seu filho.

Mesmo assim a figura do Cazuza permanece intocável e até hoje é comum a mídia e a população cultuar o burgues chamado Cazuza. Os mais críticos dirão que é falta de originalidade da minha parte. Será?! Apenas não costumo idealizar algo que não é exemplo de ídolo e não fez da vida um espaço digno de se viver.

Entendo e sou fã das composições de Cazuza, mas como pessoa… Deus me livre! Como disse Nelson Rodrigues, “A unanimidade é burra”. E acrescento: é cega! (nesse caso não é surda, afinal de contas, o cantor Cazuza era excepcional).

Para explicar de maneira diferente o que penso de Cazuza, usarei o próprio Cazuza: “Meus heróis morreram de overdose, meus inimigos estão no poder. Ideologia, eu quero uma pra viver”. Sim, ideologia de vida, era isso que Cazuza precisava. Cazuza foi, para mim, um rebelde “perdido” na zona sul. O Cazuza cantor “era o cara”, como ele mesmo cantava. Já o Cazuza homem, não valia Nem R$1,99, era lastimável. Nada contra que é fã do cara, mas esse é o meu pensamento e faço jus a minha liberdade de expressão.

Como sei que o tema é polêmico demais, peço apenas uma coisa para quem for comentar: RESPEITE A OPINIÃO ALHEIA. Não existe motivo para agredir moralmente, falar mal ou ofender. Apenas apresente seu ponto de vista e será muito bem vindo. No texto acima eu fiz apenas isso: apresentei o que eu penso. Esse é o espaço para isso!