Archive for abril \29\+00:00 2009

h1

Eterno número 2

quarta-feira, 29 abril, 2009
Choooora, fiote!

Choooora, fiote!

Todos nesta vida buscamos ser o número 1 em alguma coisa. Ser o melhor do futebol, da peteca, nas escolas, em história, biologia, entre os jogadores de alguma coisa ou até mesmo no cuspe a distância. Uma hora você tem que subir no degrau mais alto do pódio. É óbvio que tudo depende do referencial. Você pode ser o melhor jogador de truco da sua rua, e não ser nem o décimo do bairro. Enfim, em algum momento, temos que sentir o doce gosto de ser o número 1, o campeão.

 

Em compensação, alguns não têm muita vontade de ser campeão em nada. Ou até tem vontade, mas não conseguem. Um exemplo claro de quem nunca consegue ser o número 1 é o tal do Rubens Barrichello. O cara sempre foi o segundo melhor piloto de quase (o quase é porque não estou levando em conta a época de garoto) todas as equipes na qual trabalhou. E assim foi a vida inteira. E, para variar, sempre coloca a culpa em alguma coisa. Pô, isso é irritante, Rubinho!

 

Antes a culpa era da Ferrari, e não do alemão simplesmente espetacular. Agora a culpa é de quem?! Do Nelsinho Piquet?  Quando foi anunciado que ele seria companheiro de equipe de Jenson Button, na Brawn, pensei logo que ele seria o número 1 da equipe. Pelo visto até era, mas como os primeiros resultados da competição já está ficando nítido que ele será novamente o número 2 da equipe. Santa paciência, Rubinho! Ajuda aí, meu! Vê se ganha de alguém para eu escrever que você vale R$1,99. Enquanto isso,  o esportista Rubens Barrichello não vale Nem R$1,99! Fraco, mas fraco mesmo!

 

Obs.: tenho um irmão que tanto amo (o único, na verdade), que é fã do tal do Rubinho. Meu pai e eu o chamamos – em dia de corrida, de assessor de Rubens, de tanto que ele é fã.Quando ele ver que o texto é contra seu “pupilo” vai dar “pau”. É esperar…

h1

Opinião de quem entende

segunda-feira, 27 abril, 2009

leonardoCom apenas 12 anos e já fascinado com futebol (Já? nasci nesse estado), acompanhei a Copa do Mundo de 1994 como um torcedor de primeira qualidade. Torci muito, até quebrei um crucifixo na final, quando Márcio Santos errou o primeiro pênalti do Brasil.

Enfim, no final deu tudo certo. Assim, em 1994 comecei a admirar grande parte daquele plantel que fez muito, conquistando um título até então improvável. Dentro daquele grupo, além da dupla Bebeto e Romário, que todos bateram muita palma, tinha um “camarada” que era um show. Era não, é!

Estou falando de Leonardo, o cara da cotovelada, como muitos dizem por aí. No evento da cotovelada, que quase “matou” um jogador dos Estados Unidos, Leo assumiu a culpa e deu sua explicação na maior honestidade do mundo. Não jogou mais o mundial, mas mesmo assim fechou o evento como um campeão de caráter e personalidade.

Léo aposentou, virou dirigente do Milan, é muito respeitado, principalmente fora do país. É um dos caras mais inteligentes que o futebol já viu. Pelo visto, é louco para assumir algum cargo na seleção ou até mesmo no Flamengo.

Há alguns dias teve a coragem de “meter” a cara na televisão e dizer que os times brasileiros deveriam ser vendidos. Enquanto a mídia ainda tem medo de dizer isso, o cara assumiu sua posição e ponto final.

Fiquei pensando: vender um time de futebol?! Imagina vender o meu Flamengo? É claro que esse é o caminho. Já está mais que comprovado que os times de futebol estão como estão graças ao amadorismo dos “torcedores/dirigentes” de merda do futebol brasileiro.

Bom, mais uma vez Leonardo acertou. Grande sujeito, um profissional dentro e fora das quatro linhas. Tomara que um dia ele vire o presidente da CBF ou do Flamengo.  Vale R$1,99!

h1

Vá trabalhar, “maluco”!

quinta-feira, 23 abril, 2009

trabalhador2Amigo trabalhador, essa é para nós, que rala mais que “sovaco de aleijado”, vive pelo trabalho, muitas vezes não é remunerado como merece, etc, etc, etc… Treinador de futebol tem o péssimo hábito de poupar jogadores por atuar na quarta-feira e no domingo e, toda vez que faz isso, torço para perder.

O cara ganha um p**** dinheiro, só viaja em avião bacana, fica em hotéis top de linha, a alimentação é a melhor possível, tem massagista a disposição, médico, fisioterapeuta, nutricionista e não pode “trabalhar” tanto. Desculpa: somos humanos, precisamos de descanso.Ótimo! Mas pega leve…

Bom, então vamos lá… Após o lindo feito de vencer o Palmeiras na semifinal do paulistão, o bom treinador santista, Vagner Mancini, resolveu poupar seus principais jogadores contra o fraco e humilde CSA de Alagoas, pela Copa do Brasil, por estar jogando em casa e o primeiro jogo ter ficado empatado sem gols.

Se deu mal, muito mal! Bem feito! O time não se encontrou, tomou um gol no início, o goleiro do time adversário, Jeferson, fez milagre o jogo todo. Quando a “vaca” já estava no brejo, o técnico resolveu colocar alguns de seus medalhões em campo.

Bem feito! Agora o time do Santos terá que contentar com o Campeonato Paulista, que dá ingresso a nada. Enquanto a Copa do Brasil, leva o campeão a competição mais importante do continente, a Libertadores da América. Então entre com o reserva que torço para perder.Só não torço se for o meu amado Flamengo. (mas dá vontade… meu coração que não deixa). Até a seleção brasileira eu torceria contra!

É isso.. Soldado com a farda deve estar em guerra! Atitude que não vale Nem R$1,99!

h1

Do seriado para o cinema

quarta-feira, 22 abril, 2009

sethMesmo sendo domingão, dia que temos chance de dormir até mais tarde, “curtir” a preguiça,  quase sempre acordo cedo para fazer alguma coisa. Nada sério,me “permito “ sair do conforto e calor da minha cama, me dirigir para a sala de televisão, ligar a TV e buscar algo legal por lá. Buscar um programa na TV é uma mera formalidade, afinal de contas mais “cochilo” do que assisto os canais de série, esportes, programas ou filmes.

Como era sete e pouco da manhã, comecei a mexer no controle para encontrar um programa. Encontrei! Décimo primeiro episódio da segunda temporada de um seriado que adoro: The O.C. Já vi a série inteira, de “cabo a rabo”, mas um bom seriado nunca é pouco vê-lo novamente.

Programei o seriado na Warner e continuei a minha “saga” pelo controle e encontrei um filme, “Eu e as mulheres”, que parecia ser bem mais ou menos e, para minha surpresa, era estrelado por Adam Brody, o mesmo ator que interpreta o personagem que mais agrado do seriado The O.C., o Seth Cohen. Para ser sincero, não iria assistir, mas resolvi vê-lo por saber que o estilo do ator é sempre muito engraçado.

Gostei bastante do que vi e não pisquei os olhos. Nem um “cochilinho” de leve. Indico! O filme “Eu e as mulheres” vale R$1,99!

Até parecia que o papel de Brody seria mais um besteirol. Pelo contrário, como Carter, Brody provou o quanto é flexível e bom ator.

Bom filme, bom ator!

h1

Coisas que não entendo… (1º post da série)

segunda-feira, 20 abril, 2009

bomba_gasolina3Já no posto de gasolina, estava com um vale para colocar “petróleo” no meu carro.

Frentista: Quanto é seu crédito?! Perguntou o frentista, já com a bomba de gasolina em mãos.

Eu: R$67,60.

No meio da conversa, eis que surge uma pessoa que, acredito eu, seja o cara mais antigo do lugar, meio com cara de bronco, sem mal desejar uma boa tarde, muito menos um “olá”. Vou chamá-lo de “Bronco”.

“Bronco”: É R$67,58, e não R$67,60.

Meio sem jeito, fiz minhas contas para descobrir em que local esse “cabeça de bagre matemática” jornalista errou. Errei porque não fiz a conta com o valor “real” do combustível: era R$2,599, e não R$2,60, como eu fiz a conta. Sem muita paciência para conversar a respeito do valor R$2,599, que não existe em lugar algum, apenas em posto de gasolina, fui logo dizendo:

Eu: Então é isso. R$67,58. Desculpa aí, meu amigo (tentando pelo menos ser simpático e educado).

E a “cena” continuou. Meio sem entender o que estava passando, o frentista, que já estava abastecendo, parou a bomba no valor R$67,55.

Frentista: “Sr. Bronco”, é R$67,55?!

Na mesma hora pensei: R$67,58. Não falei nada para não ser “cricri”.

Como o “Bronco” não respondeu, o frentista repetiu a pergunta para mim e eu respondi de maneira taxativa.

Eu: Não, é R$67,58!

Pensei: ora bolas, se dois centavos faria a diferença para o posto de gasolina, por que não faria a diferença no meu humilde bolso?! Certo é certo, meu Sr. Tenta colocar três centavos aí que vou ficar de camarote assistindo.

Agora surge a dúvida: se não existe o R$2,599, por que ainda utilizam? Quem está legitimando essa “coisa”? E se eu chegar no posto com R$2,60 e pedir um litro de gasolina, como eles me darão o troco??? Vai entender…

 

 

h1

A paixão por “Três Vezes Amor”

quarta-feira, 15 abril, 2009

tres-vezes-amor-1

Por Luiz Augusto Reis Almeida

Se na segunda-feira eu errei e vi um filme fraco demais, que foi o “Confronto de Guerreiros”, na terça-feira, 14 de abril, acertei em cheio no novo filme: “Três Vezes Amor”. É mais light e sutil, mas é um tanto quanto divertido e surpreendente.

A comédia romântica narra à história de Will Hayes (Ryan Reynolds), um assessor político que, ao ser questionado pela filha, Maya, de apenas 10 anos, é “obrigado” a explicar como ele e sua mãe se uniram e agora estão em processo de separação.

Em compensação, Hayes conta a história de maneira diferente: narra seu envolvimento real com três mulheres distintas para que a filha acerte qual é a sua mãe. Dentre as três mulheres que se relacionaram com Hayes, estão à colega de faculdade Emily, a melhor amiga e confidente April, e a jornalista Summer.

Aos poucos Hayes começa a perceber que uma dessas histórias ainda não era passado e poderia representar o presente e o seu futuro. Sendo assim, Maya ajuda o pai a reconquistar seu verdadeiro amor. Quem gosta do gênero, aconselho que veja! O filme é muito interessante, bem amarrado, muito bem trabalhado e apaixonante. Vale R$1,99!

h1

Entre o ruim e o péssimo

terça-feira, 14 abril, 2009

filme

Por Luiz Augusto Reis Almeida

O que é mais marcante em um filme de guerra é exatamente a sua história. Na última segunda-feira, 13 de abril, cheguei em casa quase a noite e resolvi assistir um filme, o “Confronto de Guerreiros”. Imaginei logo um ótimo filme, cheio de ação e que não me daria nem sono nem cansaço ao assisti-lo. “Confronto de Guerreiros” narra à história da China, que era separada por sete nações e por diversas tribos. Uma dessas nações é a cidade-estado de Liang. A outra é comandada pelo comandante Xiang, que manda suas tropas invadirem Liang com o intuito de tomá-la. Acabou!

A partir daí é só estratégia de guerra, combate e nada mais. Um péssimo filme, com uma história muito fraquinha e no final, apenas para cumprir tabela e “amarrar” a história, surge um amor entre o estrategista e uma “tal mocinha”. Fraco! Quem tiver a chance, “não veja”! Ou então, veja e comprove você mesmo o quanto o filme, dirigido por Chi Leung “Jacob” Cheung, é ruim e sem a mínima conexão.

Recordo outros filmes do mesmo estilo, como “O Último Samurai”, foram marcantes e conseguiram passar uma história convincente e coerente, fatores que, em o “Confronto de Guerreiros” não aconteceu. Logo o filme foi de dar sono. Em condições normais, um bom filme não dá sono. Você fica tão ligado a ele, que mal consegue piscar. Já o “Confronto de Guerreiros” foi o contrário. O filme é mais que ruim, mas não é péssimo. Está entre ruim e péssimo. Na verdade esse filme não vale nem R$1,99!

h1

comportamento.com.br

quarta-feira, 8 abril, 2009

internet1

Por Luiz Augusto Reis Almeida

Engraçado demais a postura do leitor moderno – entenda: usuário da internet. Tenho percebido que as notícias mais lidas nos portais e blogs são aquelas que tratam assuntos como filmes pornográficos, fotos de alguém nu, ou que pelo menos pagou “peitinho”. Acompanho os acessos diariamente, as mensagens mais lidas, o que é mais acessado, comentado etc, etc, etc.

Lembra do boato de que a BBB Priscila era atriz de filme pornô?! Diga-se de passagem, era apenas uma breve semelhança entre a atriz do tal filme e a sister. Outra sister também foi alvo: Maíra. O vídeo amador e adulto, dessa vez verdadeiro, foi visto por sabe lá quantas pessoas e, todas as declarações a respeito, foram acessadas como ninguém.  Essas duas matérias (matéria?) foram as mais lidas dos últimos meses.

Isso é o que o povo mais gosta de ler (ler?), infelizmente. Quem produz conteúdo na internet realmente não tem tanto espaço assim. Texto longo, sem chance. Agora, se colocar um vídeo de mulher pelada, aí, meu amigo, se segura… Seu blog será o mais “lido”, comentado, acessado e o “carvalho” a quatro.

Queira ou não, esse é nosso público. Quem estudou comunicação lembra bem da Teoria do Agendamento, ou o Agenda Setting – poder da mídia em pautar os temas que serão discutidos no cotidiano das pessoas.

Essa é a nossa realidade que vale muito, mas muito mesmo… Nem R$1,99!

h1

Quem será o novo milionário do Brasil?

terça-feira, 7 abril, 2009

Texto publicado no blog do Ragga Drops do Estado de Minas.

Por Luiz Augusto Reis Almeida

Hoje é a grande final do Big Brother Brasil 9. Daqui há algumas horas saberemos quem será o novo milionário do Brasil. Fran? Priscila ou Max? Em quem você aposta? Temos três pessoas totalmente diferentes em busca do “caneco”.

priscilaPriscila cresceu muito nas últimas semanas. Ela mostrou seu lado batalhador, guerreiro de vida. Sim, a moça é muito mais que bunda, peito e perna. É inteligente e em momento algum do jogo perdeu as “rédeas” nas suas ações.  Tem a seu favor o fato do brasileiro gostar muito do perfil batalhador e principalmente da pessoa humilde. Vide algumas edições anteriores do BBB.

Já Francine sempre foi meninona, meio sem juízo, desligada, carinhosa e um tanto quanto ciumenta. Engatou um relacionamento com Max que, em alguns momentos, engoliu sua individualidade e foi até prejudicada. franÉ óbvio que o relacionamento é visto com bons olhos pelo público, logo ela também foi beneficiada.  Também tem chances de ganhar o prêmio máximo, mas acredito eu que é a mais “fraca” entre os demais.

Já Max foi o tempo todo racional e maduro. Entrou dizendo que era um jogador, e sairá falando o mesmo. Fez estratégias, pensou muito antes de agir, planejou ações e foi tão maduro que corre o risco de cair do “pé”, afinal de contas se ganhar, talvez não tenha nem mostrado quem realmente é. Outro ponto a ser analisado de Max é seu estilo marrento e autoconfiante. Isso sim pode ser interpretado como soberba e pode prejudicá-lo na final.

Ao contrário disso, continuo torcendo por ele por um simples motivo. O Big Brother Brasil é um jogo, e o que Max fez foi jogar. Diferentemente de muitos, deixou claro desde o início qual era seu propósito e “evitou” o hipócrita discurso de que não estava no BBB para jogar.

maximilianoMantendo a minha coerência, acredito na vitória do Max, portanto essa é a minha aposta.

Resta sabe se irei acertar, mas de qualquer maneira, está aí a minha aposta quase a mais de 12 horas da grande final.

É isso aí…

Abraço virtual,

Luiz Augusto Reis Almeida

h1

A essência humana nos palcos

segunda-feira, 6 abril, 2009

1

Por Luiz Augusto Reis Almeida

Sábado à noite para mim é sagrado: saio da minha casa para fazer alguma coisa, independente de onde esteja. Minha companheira e eu sempre buscamos algo diferente para iluminar a noite mais esperada da semana. No último sábado não poderia ser diferente. Tínhamos duas opções de lazer na capital das alterosas: ir ao show de uma banda que eu adoro, o Nenhum de Nós, ou ir a uma peça teatral no Palácio das Artes, a “Ensina-me a viver”, estrelada por Glória Menezes.

A primeira opção seria exatamente para “coroar” (sim, entre aspas) uma semana “cansativa”, de muito trabalho e estudo, na qual iríamos nos esbaldar ao som de uma banda muito boa e de mais dois Dj´s. Não tenho dúvidas que seria um show dos mais interessantes, mas seria “quebradeira” e o cansaço estava tomando conta.  Apesar de estar com o ingresso em mãos, ou melhor, com os nomes na portaria, resolvemos fazer algo mais tranquilo.

2Fomos para o Palácio das Artes para assistir a tal peça, ou melhor, Graças a Deus fomos assistir “Ensina-me a viver”. A peça, dirigida por João Falcão, é um adaptação do filme homônimo de 1971, e narra à trajetória de Harold (Arlindo Lopes),  um problemático jovem obcecado pela morte e que, após conhecer Maude (Glória Menezes), uma idosa amante da vida, Harold ganha um novo sentido de vida, ganha cores no seu mundo negro.

Em um primeiro momento, me questionei para saber quem era o tal Arlindo Lopes. Ao meu lado, minha companheira, que gosta de uma novelinha, disse que ele fazia o Cezinha, na novela “Da cor do Pecado”. Para mim, simples: não conhecia mesmo, e nem adiantava fazer esforço.

3No palco queríamos ver Glória Menezes, mas nos apaixonamos pela atuação I-M-P-E-C-Á-V-E-L do ator principal da peça:

Arlindo Lopes. Sim, ele é o ator principal. Mas como está ao lado de uma diva como Glória Menezes, o ator principal vira coadjuvante.

Deixando de lado essas questões, digamos, burocráticas, é importante ressaltar a qualidade da peça, do figurino, sonoplastia, dos demais atores e de todo o ambiente que fora criado. É óbvio que Glória Menezes também deu show, mas isso já é normal na vida da esposa de Tarciso Meira.

4O mais engraçado é que, peça teatral boa, amigo leitor, você viaja, entra na magia e no mundo do teatro. Não dá sono, nem vontade de ir ao banheiro. Ficamos perplexos.

Em “Ensina-me a viver” o autor consegue deixar o ambiente leve, muitas vezes carregado apenas de emoção, não só nos olhos da platéia, mas também nos olhos dos atores.

De fato, a dupla, que mostrou ter uma “química” muito especial, encena a essência do amor e da simplicidade humana.

Quem tiver a oportunidade de ver a peça, veja: você vai se apaixonar por essa peça que vale mais, muito mais que R$1,99!