Archive for 25 de julho de 2008

h1

Comic-Con: Novidades de Dexter (*game e tudo mais)

sexta-feira, 25 julho, 2008

No principal evento de quadrinhos e séries do mundo, o Comic-Con, que está acontecendo na cidade de San Diego, Estados Unidos, veio uma bela novidade para os fãs de Dexter.

No painel de Dexter, foi anunciado que o “estudante” se torna o “mestre”, ou seja, Dexter Morgan deixará de seguir o código do seu pai adotivo, Harry. Segundo um dos participantes do painel, o produtor da série, Clyde Phillips, “Dexter pegará o código de Harry e se tornará o dono deste código”. Phillips afirma também que chegou à hora do nosso psicopata predileto viver um relacionamento amoroso normal. Agora resta saber o que ele quis dizer com isso… Será que Dexter vai unir as “escovas de dente” com Rita, ou vai aparecer um novo amor na vida de Dex? Assim como apareceu Lyla, se é que podemos considerá-la como um grande amor do personagem.

Passando a palavra para Michael C. Hall, ator que interpreta Dexter Morgan, ele afirma que para não se inspirou em ninguém para viver o personagem. “Dexter é único”, disse Hall, que declarou também que mesmo assim leu perfis de psicopatas na ficção e na vida real.

Já no fim do painel, eis uma outra boa notícia. Segundo Mark Echo, da empresa de videogames Echo Enterprises, Dexter vai ganhar um game que vai rodar exclusivamente em Iphone e iPod Touch. Echo ressaltou que o jogador poderá usar o aparelho como uma faca e terá que utilizar mensagens SMS.

É esperar… Quem nunca viu a série, recomendo. Poucas séries que vi são tão intrigantes e boas como Dexter. É uma série que tem respostas no fim da temporada. Não ficam lacunas, apenas curiosidade em saber como a vida do psicopata será alterada após o “evento” que marca o fim da temporada. É isso aí!

Anúncios
h1

Recordar é viver: Raimundos

sexta-feira, 25 julho, 2008

Já era madrugada de segunda-feira quando meu amigo Gabriel Sadoco e eu voltávamos da cidade de Três Pontas, cidade vizinha de Três Corações, quando começamos a relembrar uma banda que fez muito sucesso na década de 1990, o Raimundos. Abaixamos o som do carro para cantar uma música muito louca, que agora é tema do “Recordar é viver”.

Formada em 1987 em Brasília, o Raimundos tinha como estilo predominante o hardcore punk e sua maior influência foi o Ramones, inclusive a banda passou por um bom tempo como cover dos Ramones. O guitarrista e vocalista Rodolfo Abrantes, e o baterista Digão, começaram a escrever as primeiras histórias da banda, e convidaram o baixista Canisso para integrar a grupo. Com os problemas auditivos apresentados por Digão, a banda convidou Fred para ser mais um integrante do Raimundos, enquanto o ex-baterista assumiu a guitarra.

Em 1992 a banda gravou uma fita demo contendo as músicas Nega Jurema, Marujo, Palhas do Coqueiro e Sanidade. Iniciava aí o sucesso dos Raimundos, que aos poucos começaram a tocar no Rio de Janeiro, abrindo diversos shows, como os do Camisa de Vênus, Ratos de Porão e Titãs, até serem reconhecidos pela mídia. Em 1994, Rodolfo e seus companheiros lançaram seu primeiro disco que recebeu o mesmo nome da banda.

O álbum, que continha letras carregadas de palavrões em caráter cômico e regada a influencia nordestina, teve uma boa aceitação e vendeu cerca de 150 mil cópias. Músicas como Puteiro em João Pessoa, Nega Jurema e Marujo foram bastante executadas. Em compensação, o grande sucesso do disco foi uma música um tanto quanto “pornográfica” intitulado como Selim. A grande consagração da banda aconteceu em 1995, com o disco “Lavô Tá Novo”. O grupo deixou de lado o estilo nordestino, manteve as letras carregadas de palavrões, e conquistou muito sucesso. Músicas como “Eu quero ver o oco”, “Esporrei Na Manivela”, “Pitando No Kombão”, “O Pão da Minha Prima” e “I Saw You Saying”, garantiram o sucesso da banda e a consolidação no cenário nacional. Logo após a banda aumentou ainda mais o sucesso com o disco “Cesta Básica”.

Em 1997 o Raimundos gravou em Los Angeles o disco “Lapada do Povo”. No disco, o grupo deixou de lado o estilo engraçado para investir em músicas de maior peso e mais sérias. Entre as músicas do disco que “salvaram”, destaque para a regravação de “Oliver´s Army”, de Elvis Costello, e uma versão da “Pequena Raimunda”, dos Ramones. Apesar de não ter feito tanto sucesso, o disco foi considerado como bom pela crítica especializada.

Se em 1995 havia acontecido a consagração do Raimundos, o auge do sucesso veio em 1999, com o disco “Só no Forevis”. O fato engraçado do disco foi que a primeira tiragem do CD foi roubada e a banda apareceu nas páginas policiais (como vítimas, claro) de diversos jornais. Em compensação o álbum foi o mais vendido e várias música emplacaram nas rádios, na MTV e fizeram muito sucesso, destaque para “A mais Pedida”, “Me lambe” e “Mulher de Fases”.

Em 2001, cansados de entrar em atrito, os integrantes da banda anunciaram o fim dos Raimundos. O principal motivo do término da banda foi a opção religiosa do até então líder do Raimundos, Rodolfo. Dois meses após, Digão, Fred e Canisso retornaram com a banda e lançaram o disco Éramos 4. Após a saída de Rodolfo, que hoje é vocalista do Rodox, a banda não conseguiu alcançar seus objetivos e seus membros foram pouco a pouco deixando a banda.

Atualmente a banda vive no cenário alternativo, fazendo shows de médio porte. A principal aparição do grupo foi no programa “Altas Horas”, em abril deste ano.