Archive for 3 de julho de 2008

h1

Tradição é tradição

quinta-feira, 3 julho, 2008

Vídeo homenagem: o jogo do século.

Antes que joguem pedra, vou logo dizendo que, se fosse derrota do Flamengo, tudo que aparecesse de engraçado na internet eu colocaria no blog, afinal de contas acho que isso que torna o futebol ainda melhor, mais bacana.

Anúncios
h1

O Equador conquista a América

quinta-feira, 3 julho, 2008

LDU é o novo campeão da Taça Libertadores da América. Após perder por 3 a 1 no tempo normal, resultado que permaneceu na prorrogação, a equipe do Equador deixou sua marca na história do futebol sul-americano ao vencer o Fluminense na decisão por pênaltis.

Taticamente o Fluminense entrou errado. Simples: Renato Gaúcho escalou Ygor para “liberar” os avanços dos laterais Junior César e Gabriel. Em compensação, mais uma vez, Ygor não deu conta de marcar, muito menos atacar, enfim… não entendo a escolha desse jogador. As jogadas da LDU foram sempre abertas e passavam pelos pés de Manso e Vera, que ligavam Bolaños ou Guerron, sempre nas costas de Júnior Cesar e Gabriel. Gosto muito do Renato Gaúcho como técnico, mas ele errou no primeiro tempo da final. Não precisa ser crucificado, óbvio. Mas vale o registro.

No segundo tempo, Renato Gaúcho colocou o Dodô e recuou um pouco seus laterais. Não deu outra, o time cresceu, o Thiago Neves e Conca foram ainda mais acionados e a equipe conquistou mais espaço no setor ofensivo e, ainda de quebra, segurou os contra-ataques da LDU. Com a nova postura tática, Arouca conseguiu mais liberdade para atuar, enquanto Júnior Cesar e Gabriel aproveitaram o cansaço dos alas da LDU e também investiram no ataque, só que dessa vez com mais responsabilidade.

Na prorrogação foi um verdadeira Deus nos acuda. Ninguém arrisca, ninguém sai jogando a não ser com chutão. Sinceramente, é ridículo ver uma taça Libertadores ser disputada na prorrogação. Quer saber, acho até desumano, ruim para o espetáculo. Coloca pênalti logo e pronto. Nos pênaltis, deu LDU, com méritos, afinal de contas pênalti não é loteria, e sim treino, frieza, categoria.

Vale ressaltar que não torci para o Fluminense e não vou ser hipócrita. Queria que o Tricolor das Laranjeiras perdesse e se possível de muito. Sou flamenguista e não consigo torcer para o Flu de maneira alguma. Idem para o Vasco. Em compensação, uma coisa é fato: o time mereceu. Desde o ano passado a diretoria montou uma boa equipe, conquistaram a Copa do Brasil, a vaga para a Libertadores também no Campeonato Brasileiro e, este ano, fez a melhor campanha da primeira fase, derrotou os temidos Boca Juniors e São Paulo… Portando, mesmo não torcendo nem um pouco, o Fluminense mereceu chegar onde chegou e até ser campeão. Não foi, mas mereceu.

O craque do jogo: Thiago Neves

Quem acompanha o meu blog sabe que há tempos digo que esse jogador é diferenciado. Ontem, mais uma vez, ele comprovou ser muito mais que um grande jogador. Thiago Neves é o típico atleta que não some em finais, coisa rara para os bons jogadores que rodeiam o nosso futebol. Para mim, o limite de um bom jogador e um craque está justamente aí: a capacidade do jogador de fazer a diferença nas finais de um determinado campeonato. Dessa vez ele provou ser um verdadeiro craque. O cara fez em uma final de libertadores três gols. Gente, isso é fato raríssimo, digno de placa. Isso sem contar o gol IMPORTANTÍSSIMO que ele fez na partida de ida da final, no Equador. Pena que ele errou o pênalti, mas ele tem crédito.

Apenas mais um: Dodô

Há algumas semanas até cheguei a comentar que queria o Dodô no Flamengo. Hoje não quero ele neeeem pintado de ouro, ou melhor, nem pintado de urubu Rubro-Negro. Não mesmo… Simples: odeio jogador que não vibra com um time, que não comemora, que não dá sangue em uma final. Sendo assim, não serve para vestir a camisa do Fla.

Gosto muito do jogador, mas a sua displicência chega a incomodar muito. Prefiro ver um limitado Obina trombar com a bola, a um Dodô cheio de habilidade, mas sem a mínima vontade.

Fernando Henrique: não confio

Fez uma grande Libertadores, foi herói do Tricolor em várias partidas. Mesmo assim, não confio de maneira nenhuma. Ele faz pose demais, é em alguns momentos muito competente, mas em alguns outros mata a torcida de susto.

O sono

Quem conhece o ritmo do futebol brasileiro já sabe o que o torcedor passa. Ontem acompanhei todo o jogo sem piscar os olhos, já hoje estou pescando até tubarão. Está foda… Mas tudo bem, valeu! Sou antes de tudo A-P-A-I-X-O-N-A-D-O por futebol. Ver um partidaço como a de ontem é mais que válido!

Perguntas quase sem resposta

Guerron corre mais que Claudinei Quirino, mas fez o anti-doping?

Pênalti é loteria???? Nunca! Eficiência.